Hospital adota ações sustentáveis e reduz impacto da geração de lixo

Posted on Updated on

A coleta seletiva do lixo tanto preserva o meio ambiente como traz benefícios para a saúde das pessoas. Além de colaborar com a conservação dos recursos naturais, melhora a qualidade de vida. O Hospital Regional Norte (HRN), em Sobral, do Governo do Ceará, tem a prática de ações sustentáveis como sua rotina. Em 2018, o HRN enviou para reciclagem 8.642 kg de papel e papelão e iniciou a reciclagem de plástico.

Neste ano, o objetivo é ampliar a reciclagem do plástico por unidades assistenciais. A iniciativa da Comissão de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (CGRSS) do HRN em parceria com uma empresa de reciclagem local tem conseguido reduzir o volume de lixo descartado para o meio ambiente a partir de uma segregação mais eficiente do resíduo.

“Reciclamos principalmente em prol do meio ambiente e verificamos uma redução do lixo produzido com a segregação correta”, diz a enfermeira do serviço de higienização hospitalar do HRN, Josimar Bezerra. Ela explica que antes eram apenas dois tipos de lixo no hospital: o comum e o infectante.

Por iniciativa da Comissão, deu-se início à implantação de uma coleta seletiva dentro do Hospital com papel, papelão e plástico. Iniciou-se também o processo de reutilização de vidros para alguns fins, após processamento. Vislumbra-se um potencial para metal. Lâmpadas, pilhas e baterias são reservadas em locais específicos para o correto descarte por empresas especializadas sem riscos para o meio ambiente.

“A preocupação com o espaço ambiental torna o gerenciamento de resíduos um processo de extrema importância na preservação da qualidade da saúde e do meio ambiente”, ressalta o gerente de risco do HRN e presidente da Comissão, João Kildery Silveira Teófilo.

Todo o lixo produzido no hospital é encaminhado para a Central de Resíduos que faz o armazenamento e a destinação correta conforme o tipo. É também na central que acontece a pesagem dos volumes. O lixo comum é encaminhado para um aterro sanitário.

O infectante é coletado por uma empresa especializada, que também realiza o tratamento final. O material reciclável é destinado para empresas de reciclagem locais. Antes de serem encaminhados para reciclagem, os papeis passam por um triturador para não identificar dados de pacientes. Parte dos papeis dos setores administrativos-financeiro são reutilizados.

Os funcionários participam do projeto e são treinados para darem o correto descarte aos resíduos. A Comissão de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde do HRN é composta pelo Gerente de Risco (na condição de presidente), representante do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT), Coordenador do Serviço de Hotelaria, Coordenador do Serviço de Manutenção, membro do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) e enfermeira do serviço de higienização hospitalar.

A Comissão promove uma gestão integrada para formulação de caminhos para promover a não geração, a minimização da geração e o reaproveitamento dos resíduos, a fim de evitar os efeitos negativos sobre o meio ambiente e a saúde pública.

O Plano de Gerenciamento de Resíduos em Serviços de Saúde (PGRSS) do HRN descreve as ações relativas ao manejo dos resíduos na área da saúde. Além disso, o documento define medidas de segurança e saúde para o trabalhador, desenvolve mecanismos que possibilitem a separação de resíduos possíveis de reciclagem, trabalha a cultura do manejo adequado dos resíduos em meio à comunidade hospitalar e desenvolve um trabalho de prevenção contra os riscos potenciais decorrentes do manuseio dos resíduos sólidos, com o pessoal da coleta.

Deixe uma resposta