Praticar o autoconhecimento pode aprimorar capacidades gerenciais

Posted on Updated on

O empreendedorismo vem ganhando cada vez mais espaço no Brasil, mas a capacitação e a especialização de quem atua nesse segmento ainda precisa de melhorias. E uma das formas de trabalhar esses pontos é por meio do autoconhecimento. “É necessário identificar os nossos pontos fortes e as limitações e também dos nossos negócios, para conseguirmos mudar comportamentos e explorarmos ao máximo todos os nossos potenciais, com a intuito de sermos mais assertivos e obtermos bons rendimentos”, explica o empreendedor Flávio Vinte, que atua como palestrante, estimulando o empreendedorismo em jovens que sonham abrir o próprio negócio.

Listado pela Forbes como um dos jovens abaixo dos 30 anos mais influentes do País, Flávio, que é fundador da Vivaçúcar, trading de açúcar cristal que fatura mais de R$ 30 milhões por ano, destaca a importância e o papel do empreendedor nos negócios, sobretudo quanto ao entendimento sobre o ramo de atuação. “Peter Drucker diz em seu livro Managing Oneself que é preciso muito mais energia e trabalho para ir da incompetência para a mediocridade, do que sair de um patamar em que é considerado bom para a excelência. E é nesse ponto que sigo minha filosofia empreendedora, é necessário se autoconhecer, para poder explorar aquilo que somos bons”, explica.

Um erro apontado por Flávio é a confusão na hora de estabelecer as prioridades, “Muitas pessoas querem alcançar objetivos antes de saber se estão dentro do seu perfil. Não é possível, por exemplo, ter ordem e progresso ao mesmo tempo. Primeiro precisamos da ordem, aprender quem somos, o que podemos alcançar e onde queremos chegar. Para depois progredir para o objetivo”, diz.

Segundo ele, o autoconhecimento além de beneficiar os projetos, auxilia na sensibilidade e na percepção das pessoas ao seu redor. Essa qualidade adquirida proporciona o aperfeiçoamento das equipes, possibilitando que cada indivíduo mostre o melhor de si.  Tornando a prática essencial para líderes e gerentes que adquirem capacidades gerenciais, como: mais compreensão de si e do outro, entendimento dos impactos de suas ações sobre pessoas e equipe, aumento efetivo da produtividade na gestão de pessoas e desenvolvimento de habilidades para lidar com o poder de influência sobre os pares e superiores.

“Em minhas palestras sempre reforço que é indispensável buscar o autoconhecimento. Algumas práticas como se perguntar sobre o que gosta, o que lhe faz bem, quais são os desejos e objetivos e o que é preciso para melhorar norteiam essa discussão. E a partir daí se constrói uma base para poder explorar habilidades e trabalhá-las”, explica.

Flávio acrescenta que com essas informações em mãos, o empreendedor consegue levar esse conhecimento para o seu negócio e consequentemente contribuir para ele.

Deixe uma resposta