Pesquisa indica que reforma da previdência é a maior preocupação para os brasileiros

Posted on Updated on

A nova edição da pesquisa Perspectivas 2019: ‘Expectativa dos Brasileiros com o Cenário Político & Social”, realizada pela parceria Acrefi/Kantar, constatou que a Reforma da Previdência já é considerada como principal prioridade para os entrevistados (21%). Educação (18%) e Saúde (14%), que nos levantamentos anteriores lideravam a lista, aparecem em segundo e terceiro lugar. Veja o gráfico completo com todos os temas abaixo:

O objetivo da pesquisa Acrefi/Kantar é capturar as expectativas e impressões da população brasileira em relação à situação econômica do país, aos primeiros meses do governo federal e ao impacto do cenário nas decisões pessoais dos entrevistados.

O levantamento mostrou que 13% consideram a situação atual do Brasil “ótima” ou “boa”, o nível mais alto desde 2016. A fatia dos que classificaram o quadro atual como “regular” foi de 36%, também o mais elevado no período. Já a parcela dos que consideram o cenário “ruim” ou “péssimo” somou 51%, o mais baixo em três anos.

“A impressão geral é de que a situação do Brasil é melhor, embora a maioria ainda faça avaliação negativa, por pequena margem (2 pontos percentuais) em relação aos demais”, destaca Viviane Varandas, diretora de atendimento ao cliente da Kantar divisão Insights. Gráfico 2.

De acordo com a pesquisa, 44% estão otimistas em relação ao futuro, mesma fatia do que se mostram preocupados com as perspectivas, enquanto 6% se mostram resignados e 6% estão pessimistas.  Gráfico 3.

A pesquisa Acrefi/Kantar revelou também que as percepções positivas em relação à oferta de crédito e ao consumo das famílias estão elevadas. No comparativo com o levantamento do 1º semestre de 2018, a porcentagem quanto à oferta de crédito cresceu de 24% para 36%; e o consumo das famílias passou de 27% para 38%.  Gráfico 4.

Outro dado que despertou atenção foi em relação à taxa de juros e perspectiva de crescimento do país: no comparativo com o 1º semestre de 2018, o otimismo ganhou força – a perspectiva com o crescimento do Brasil saltou de 31% para 48%, e a melhora na taxa de juros (perspectiva de queda da Selic) – que estava em 21% no 1º semestre do ano passado, agora atingiu 32%. Gráfico 5.

O presidente da Acrefi , Hilgo Gonçalves, considera que existem motivos para sustentar essa percepção: “Há dados que apontam que a aprovação do Cadastro Positivo irá gerar impactos importantes na economia do País – aumentando volume de crédito e inclusão. É um passo muito importante no aumento de competitividade no Sistema Financeiro Nacional (SFN), na inclusão no mercado de crédito, de pequenos e médios empresários, redução da inadimplência e taxa de juros. Impacta também na melhora da experiência no relacionamento entre clientes e instituições financeiras”, pontuou.

Segundo ele, o PIB deve crescer 0,8% este ano, inflação ficará por volta de 3,70% e a Selic em 6,0% em 2019.  “O Crédito Total no Sistema Financeiro cresceu 5% em 2018 – projetamos 7% em 2019. Já o Crédito Recurso Livres (Pessoa Física) estimamos crescimento em 12% esse ano”, projetou Hilgo.

Os dados da pesquisa Acrefi /Kantar mostraram que a expectativa de melhora da situação financeira e do padrão de vida é menor quando comparada ao momento pós-eleição, mas continua sendo majoritária: 52% acreditam que a situação pessoal vai melhorar e metade dos brasileiros (50%) também vislumbra melhora no padrão de vida nos próximos anos. Gráfico 6.

Outro dado que chama a atenção é em relação ao emprego e fonte de renda: 56% estão atentos ou preocupados quanto aos seus empregos, elevação de 3 pontos percentuais em relação a outubro de 2018. Gráfico 7.

O desemprego continua a preocupar os brasileiros, segundo a pesquisa: 55% disseram que esse item vai continuar crescendo nos próximos meses.  Gráfico 8.

Carro (54%) e imóvel (44%) ainda lideram a lista de prioridades de consumo nos financiamentos. Viagens (12%), celular (11%) e eletrodomésticos (10%) vêm em seguida. Gráfico 9.

37% dos entrevistados acreditam que a situação do Brasil vai melhorar em 2020; 19% consideram que o quadro não vai melhorar em 3 a 4 anos; 14% ainda acreditam em melhora já no segundo semestre de 2019; e 10% somente em 2021.

“O momento atual, para que possamos crescer de forma mais sustentável, requer um protagonismo ainda maior de cada um de nós. É necessário buscarmos uma tomada de decisão ainda mais consciente -, usando todo o aprendizado desafiador que vivenciamos nestes últimos anos – além das informações disponíveis. Isso seja para o consumo ou para o crédito contribuindo, dessa forma, para uma redução do endividamento das famílias e o crescimento do País.”, considera o presidente da Acrefi , Hilgo Gonçalves.

Viviane Varandas, diretora de atendimento ao cliente da Kantar, constata que a perspectiva de melhora apenas no médio prazo tem entre seus motivos o desemprego. “Ainda que o cenário atual seja mais promissor que no mesmo período de anos anteriores, a expectativa é que a melhora não seja imediata. O desemprego ainda é uma questão não endereçada até o momento, gerando preocupação”, finalizou. Gráfico 10.

Deixe uma resposta