Três principais crenças que impedem que se ganhe dinheiro

Posted on Updated on

Há dezenas de ditos populares e crenças sobre dinheiro que, combinados aos pensamentos e frustrações que permeiam a mente humana, impedem as pessoas de aumentar suas receitas e viver com mais abundância. Os indivíduos estão o tempo todo preocupados com a escassez do dinheiro, com medo de não conseguir pagar as contas, desejando itens de consumo que parecem inalcançáveis. Passam o dia inteiro dizendo para si mesmas palavras que enfatizam a falta de bens materiais. 

Os pensamentos e valores sobre a vida são formados na infância, adquiridos dos pais, educadores e da sociedade onde estão inseridos. Estas crenças estão diretamente conectadas a emoções pessoais que comandam suas ações, gerando resultados e criando a realidade. A mente funciona assim e como estes pensamentos estão gravados no subconsciente, não percebem a força que exercem em suas vidas. O que você pensa, você atrai, é a lei da atração.

“Os clientes chegam ao consultório querendo entender por que não conseguem ter sucesso financeiro. Querem desfazer suas crenças financeiras e atrair uma vida mais abundante. Eles trazem à tona emoções vinculadas a crenças limitantes adquiridas na infância pelo que vivenciavam ou ouviam dos adultos, principalmente de seus pais”, relata Adriana Lage, hipnoterapeuta e terapeuta de transformação rápida RTT, fundadora da Dalandê.

Adriana enumera três das principais crenças limitantes que impactam a realidade das pessoas, impedindo-as de atingirem seus objetivos:

1. Dinheiro é escasso

Desde pequenos ouvimos frases como “dinheiro não cai do céu”, “dinheiro não aceita desaforo”, “dinheiro não nasce em árvore” e crescemos acreditando que é difícil ganhá-lo.

Um relatório da Wealth-X, empresa de pesquisas que publica um censo sobre fortunas anualmente, hoje há 19,6 milhões de milionários e 2.604 bilionários no mundo, com Estados Unidos e China no topo do seleto rol. Ou seja, há muito dinheiro circulando, mas ele não chega até você. A pergunta que você está se fazendo é incorreta, não deve ser “onde mais tenho que economizar?” ou “como protejo o que tenho?”, mas sim “como me torno essa pessoa que atrai riqueza?”.

É claro que você não deve descuidar do que tem, mas esta pequena mudança de pensamento te fará olhar sob outro ângulo e perguntar: “como desenvolvo as habilidades necessárias para chegar lá?”. A resposta conterá as ações que você deverá implementar para atrair mais abundância. Você deixa de dar enfoque ao problema e se concentra na solução.

Uma das regras da mente é “você se torna as palavras que diz e as imagens que forma na sua cabeça”. Se você passa o tempo preocupado com a falta do dinheiro, se vê sem dinheiro, amanhã sua realidade continuará a mesma. Ao adotar uma postura oposta, acreditando e visualizando o dinheiro chegando até você, clientes te procurando, negócios surgindo e oportunidades sendo criadas, por exemplo, você começa a modificar crenças e pensamentos e transforma sua realidade.

2. Se eu for rico, estou tirando dinheiro de alguém

Segundo a Wealth-X, a filantropia é a principal paixão de bilionários. Após a consolidação de suas fortunas, muitos deles investem na construção de um legado para melhorar o mundo. Imagine o impacto que você pode ter na vida da sua família, da sua comunidade, do seu país e do mundo inteiro? Quantos problemas você pode solucionar se for rico? Dar uma educação melhor para seus filhos, trazer conforto para os pais aposentados, resolver problemas de saúde, doar fundos para ONGs sérias. Ao injetar mais moeda na economia, você cria mais empregos, que geram mais renda e assim sucessivamente. Quando você ganha dinheiro, você está ajudando o seu entorno e o mundo a crescer.

3. Dinheiro não traz felicidade

Se você acredita que dinheiro não traz felicidade, jamais o terá. A mente humana está fortemente programada a nos levar para o prazer e nos afastar da dor. Por isso, ela responderá de modo consistente com essa crença, te afastando dele.

O dinheiro não traz problemas. Vemos pessoas perseguirem fama e fortuna para preencher o vazio interior pela falta de amor e validação que não receberam na infância. Elas acreditam que serão reconhecidas e se sentirão amadas ao alcançarem sucesso, o que não acontece, porque a crença instalada pela criança continua sendo “eu não sou boa o bastante”, “eu não sou merecedora de amor”. O vazio interior permanece e o adulto começa a estabelecer outros elos para preencher este buraco, tornando-se comprador compulsivo, entregando-se a bebidas, drogas, sexo e jogos de azar.

Recém-lançado, o filme Rocketman retrata bem essa realidade ao narrar a história de Elton John. Quando ele se conectou com as emoções do passado e analisou o que aconteceu, fez as pazes com sua versão infantil e regatou seu amor próprio. Este é exatamente o trabalho que fazemos com a Terapia de Transformação Rápida.

Como transformar essa realidade? Primeiro, preste atenção no seu discurso, identifique suas verdades e as questione. Quando você questiona uma crença, ela deixa de ser verdade absoluta e te abre a possibilidade de estabelecer novos conceitos. Pergunte-se: De quem é esta crença? Como eu adquiri este valor? Substitua cada crença limitante por outra de abundância. Crie novos ditados, visualize novas imagens e acredite que elas são possíveis e estão ao seu alcance.

Quando você muda o pensamento, também muda suas crenças. Ao mudar suas crenças, muda suas atitudes. Mudando suas atitudes, você muda seus sentimentos. Ao mudar os sentimentos, você muda suas ações. E quando você muda suas ações, os resultados são diferentes.

Deixe uma resposta