Estudo estima população do Ceará até 2060 e prevê aumento da taxa de idosos e redução na de jovens

Posted on Updated on

Resultado de imagem para população do ceará

A população do Ceará, estimada hoje em 9,1 milhão de habitantes, deve crescer até 2041, atingindo 9,7 milhões, e nos anos seguintes passará por declínio lento, chegando, em 2060, 9,4 milhões de habitantes. Comportamento idêntico está para acontecer com a população brasileira, que deve atingir o ápice de 233,2 milhões em 2047 e ao longo das décadas posteriores a apresentar diminuição. O Brasil terá, em 2100, um quantitativo populacional semelhante ao do ano 2000, ou seja, cerca de 180,6 milhões de pessoas. Os dados estão no Enfoque Econômico (Nº 209) – Projeções populacionais: análise comparativa do Ceará com o Brasil no período 2019 a 2060, que acaba de ser publicado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado do Ceará.

Em termos de participação em relação ao total nacional, o Ceará possui uma taxa projetada de 4,3% de participação em 2019, valor que vai diminuindo lentamente ao longo dos anos, atingindo, em 2041, uma taxa de 4,2%, e em 2060 ee 4,1% em relação a população do país. De acordo com o estudo, apesar da projeção  de que o Brasil – e consequentemente o Ceará – começará a ter redução populacional a partir da década de 2040, esse processo não irá ocorrer de forma equânime nos grandes grupos etários, já que existe estimativa de uma redução da participação de jovens (0 a 14 anos) e o incremento da população idosa (60 anos ou mais). Portanto, é importante destacar o gradual processo de envelhecimento populacional previsto para acontecer ao longo dos próximos anos, o que deverá nortear as políticas públicas de diversos setores, como, por exemplo, nas áreas de educação, saúde e previdência pública.

De acordo com o analista de Políticas Públicas do IPECE Cleyber Nascimento de Medeiros, que elaborou o trabalho juntamente com a assessora Técnica Raquel da Silva Sales, o estudo mostra que existe uma curva crescente para o índice de envelhecimento, tanto para o país quanto para o Estado, sendo que no ano de 2055 estima-se um índice superior para o Ceará em relação à média nacional. Especificamente para o Estado, a projeção é que, a partir do ano de 2034 se terá uma proporção de idosos (com 60 anos ou mais) superior à dos jovens (14 anos ou menos), com valores de 18,59% de idosos e 18,53% de jovens, respectivamente. “O envelhecimento populacional é uma realidade no país e no Ceará, sendo fruto de um processo de reestruturação da dinâmica demográfica caracterizada pelo arrefecimento das taxas de fecundidade e mortalidade, assim como o aumento da expectativa de vida” – frisa.

Para o Analista de Políticas Públicas do IPECE, a reestruturação populacional enseja o desafio, para o presente e o futuro, de se possibilitar que as pessoas possam envelhecer com segurança e dignidade, garantindo uma participação ativa na sociedade. Nesse sentido – afirma – os “investimentos em educação podem refletir em ganhos de produtividade, contribuindo também para que o indivíduo, especialmente os idosos, possa continuar por mais tempo no mercado de trabalho. Desse modo, uma alternativa pode ser o incremento da participação na força de trabalho dos grupos demográficos referentes aos idosos. A partir do crescimento da esperança de vida ao nascer, conjectura-se a possibilidade de que haja um maior interesse da população idosa em permanecer no mercado de trabalho desde que sejam criados atrativos financeiros, o que se justifica na medida em que se aproveitaria a experiência de trabalho deste grupo etário”.

Outro importante indicador utilizado nos estudos populacionais – destaca – corresponde a razão de dependência, que consiste na divisão da população economicamente dependente (até 14 anos e os de mais de 60 anos) pela população potencialmente produtiva, grupo este constituído de pessoas na faixa etária de 15 a 60 anos. Ele observa que o significativo aumento na razão de dependência no Ceará, e também no país, decorre do fato do incremento previsto na participação da população idosa assim como a gradativa redução do quantitativo da população potencialmente produtiva ao longo das próximas décadas.

PROJEÇÕES

Os estudos demográficos têm por objetivo analisar aspectos inerentes a populações humanas, tais como a sua evolução no tempo, a distribuição espacial, a composição e as suas características gerais, sendo muito importantes no tocante ao planejamento de políticas públicas. Uma preocupação fundamental nos estudos demográficos corresponde a projeção do tamanho populacional em determinado momento, assim como a avaliação dos possíveis fenômenos que determinam ou afetam esse tamanho, tais como os nascimentos, os óbitos e a migração. Além da preocupação com o tamanho e o crescimento da população, o estudo da composição populacional por idade e sexo também é bastante relevante, principalmente pela sua repercussão sobre os fenômenos sociais e econômicos.

Recentemente foi lançado pela Organização das Nações Unidas (ONU) o relatório World Population Prospects 2019 (Prospecções da população mundial 2019), observando-se que o Brasil ocupa atualmente a sexta posição no ranking mundial em um total de 235 países avaliados, com uma estimativa de 211 milhões de habitantes, atrás somente da China, Índia, Estados Unidos, Indonésia e Paquistão. As projeções populacionais indicam tendências demográficas atuais, às quais estão sujeitas a revisões e modificações ao longo dos anos pois podem ser influenciadas por avanços na área de saúde, mudanças tecnológicas, condições políticas e costumes.

O relatório da ONU aponta também que a população brasileira está crescendo a um ritmo mais lento que a média mundial principalmente por possuir atualmente taxas de fecundidade inferiores à média global. Os dados também revelam que há uma tendência de envelhecimento da população do país de forma mais intensa do que no restante do mundo. O estudo sobre prospecções da população mundial apresenta os dados em nível de países, realizando importantes análises comparativas para este nível geográfico. Não obstante, esse Enfoque objetivou analisar o comportamento das projeções populacionais do país e do Ceará para os próximos 42 anos (2019 a 2060), utilizando, para tanto, dos dados produzidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Acesse aqui o Enfoque 209

Deixe uma resposta