Startups crescem no País, mas 75% não chegam aos cinco anos de existência; gestão é saída para reduzir mortalidade

Posted on Updated on

A situação difícil do mercado de trabalho formal é um dos fatores que têm estimulado o empreendedorismo no Ceará, contribuindo para o crescimento do número de startups no Estado. Segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), a quantidade de empreendimentos no Ceará saltou 36% em 2018. Para que esses negócios durem e não façam parte da parcela de 75% das startups que não chegam aos cinco anos de existência no Brasil, é necessário investir na gestão, que está entre as principais causas de mortalidade das empresas, conforme estudo da Fundação Dom Cabral. Buscando ajudar os empreendedores a terem êxito na condução das suas startups, a Flow Desenvolvimento Integral elaborou um sistema de gestão exclusivo com foco em um tripé que contempla a visão de futuro, o olhar para o presente e a conexão entre todas as áreas da empresa, gerando uma rede onde todos estão juntos em prol de algo comum.

“As startups têm crescido muito no Brasil como empresas inovadoras e com ambientes criativos, mas, muitas vezes, os seus espaços físicos diferentes, com paredes coloridas e puffs no chão, por exemplo, não representam as suas ações. A importância da gestão é subestimada. São negócios velozes que precisam escalar rapidamente e acham que é possível fazer a gestão apenas com ferramentas isoladas. As ferramentas são importantes, mas seu uso exacerbado gera um imediatismo enorme que leva as pessoas a ligarem o piloto-automático para darem conta dessas ferramentas com listas de tarefas que nunca acabam. É um ‘tarefismo’ que cansa as pessoas, gera desestímulo, absenteísmo, falta de criatividade, redução da produtividade e erros constantes”, alerta Adriana Bezerra do Carmo, sócia fundadora da Flow Desenvolvimento Integral.

De acordo com ela, as startups estão bem servidas em relação a modelos de negócios, mas falta um olhar mais atento para a gestão e para as transformações que ocorrem no mundo, o que contribui para que muitos negócios não tenham vida longa. “Vivemos em um mundo onde as mudanças acontecem de forma muito rápida, no que é conhecido como ‘Mundo VICA’: volátil, incerto, complexo e ambíguo. As startupsestão muito mais suscetíveis a esse mundo VICA, e isso impacta tanto na gestão dos negócios quanto nas pessoas”, afirma Adriana. “Foi pensando na realidade do mundo atual e nas necessidades específicas das startups que nós desenvolvemos o nosso sistema de gestão para esses empreendimentos. Nosso sistema de gestão busca criar negócios conscientes em empresas humanizadas, de forma a criar um ambiente saudável e preparado para o crescimento que as startups almejam”, reforça a sócia da Flow Desenvolvimento Integral.

Deixe uma resposta