A Coluna do Roberto Maciel (terça-feira, 04.08): A caminho, em passos largos, de 100 mil mortos

Imagem

A caminho de mais uma marca vergonhosa
É provável que o Brasil chegue nos próximos dias a 100 mil mortos pela covid-19. Não é um pessimismo profundo ou sombrio que indica isso, mas a mais pura aritmética. O País começou a semana com 94.130 registros de óbitos pela doença. Permanecendo a média de mortes atual, de mil pessoas por dia, bastarão seis dias para se alcançar mais uma marca funesta. Ou seja, seis mil vidas que poderão se perder. Somadas aos 94,13 mil pais, mães, filhos e irmãos que já sepultamos com imensas tristeza e saudade, estampa-se na testa do governo de Jair Bolsonaro um letreiro vergonhoso. Tão grave quanto isso é saber que o presidente da República tem feito uma insidiosa, perversa e despudorada campanha contra quem tenta se opor ao novo coronavírus. Não há argumento humano que possa explicar uma situação assim.

Economia com sabor local
A Assembleia Legislativa aprovou em plenário projeto de lei que cria um selo específico para os produtos cearenses. A matéria levou a assinatura dos deputados Salmito Filho e Romeu Aldigueri, ambos do PDT. Salmito e Romeu propuseram o fomento à economia cearense por intermédio do estímulo ao consumo de produtos de origem local. Fala de Salmito: “Quando o consumo aumenta, a produção aumenta, as empresas ganham mais, as empresas contratam mais em território cearense, gerando mais empregos e renda para a população local, o que representa o aumento do mercado consumidor e da capacidade de consumo das pessoas”. A ideia é que lojas, supermercados, padarias, drogarias e estabelecimentos similares indiquem os produtos de origem cearense afixando o selo com a inscrição “Produto Cearense” o lado da indicação do preço. Ou nas alas ou prateleiras destinadas, exclusivamente, para produtos cearenses.

Doses

Conselho Estadual de Saúde de Minas critica uso da cloroquina ...

Está sendo encaminhada na Câmara dos Deputados a CPI da Cloroquina. A proposta é de que a comissão seja instaurada para apurar responsabilidades na produção cavalar do medicamento por laboratório do Exército, a mando do presidente Jair Bolsonaro. Não obstante as orientações da Organização Mundial de Saúde, que alertam sobre o remédio ser inócuo e, mais do que isso, perigoso para o tratamento da covid-19, o dinheiro dos brasileiros tem sido empurrado na fabricação das pílulas que não servem para nada.

O mal e o mau
Já se provou que a cloroquina serve muito mais à fabricação de fake news do que à saúde de quem quer que tenha contraído covid-19. Somente um instinto mercantil desvairado, ou um populismo sem controle, pode sustentar a tese de empurrar para a população um verdadeiro veneno.

Subo neste palco
O festival de música que a Assembleia Legislativa realizou no fim de semana passado teve três marcas que chamaram atenção. A primeira foi a qualidade intensa das composições e dos músicos que subiram no palco do auditório da AL. O segundo tem o mesmo mote: o tom cearense impresso em cada canção. O terceiro ponto foi, como se diz popularmente, a “maior páia”. É que pouquíssimos deputados se manifestaram nas redes sociais na Internet a respeito do evento.

Desligados
Pode-se aceitar que se diga que muitos parlamentares viram as apresentações pela TV da Assembleia do Ceará. Ou que as ouviram pela rádio da instituição. Pode-se mesmo afirmar que houve quem as acompanhasse pelo site. Mas pouquíssimos escreveram o que quer que fosse sobre o Festival, mesmo para apenas apoiar um ou outro candidato das regiões de onde extraem votos. Plataformas como Facebook, Twitter e Instagram passaram em branco para os deputados. Fazendo justiça, só o presidente da Casa, José Sarto (PDT), ficou atento a isso.

A mais
O Congresso Nacional conseguiu assegurar, pelo menos em tese, quase R$ 2,753 bilhões para o combate à pandemia do novo coronavírus. E que passaram nos plenários duas medidas provisórias sem alterações. Dessa forma, as novas leis propostas pelo Poder Executivo serão promulgadas pelo presidente do Congresso, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Primeiro caso
Veja: a MP 941/20 destinou crédito extra de cerca de R$ 2,114 bilhões para os ministérios da Saúde, da Educação e da Cidadania. O dinheiro sairá de emendas de bancada estadual impositivas (de execução obrigatória), remanejados no Orçamento deste ano. Do total, perto de R$ 1,675 bilhão (79%) já foi pago.

Segundo caso
A outra medida direcionou R$ 639 milhões para a Presidência da República e três ministérios, com recursos oriundos do remanejamento de emendas do relator-geral do Orçamento de 2020, deputado Domingos Neto (PSD-CE), e do superávit financeiro da União. Desse montante adicional, quase R$ 261 milhões (41%) já foram pagos.

Terceiro caso

Fotos de Bolsonaro exibindo cloroquina para ema viram meme na internet |  Poder360

Enquanto isso, o presidente Jair Bolsonaro brinca de correr atrás de emas mostrando às bichinhas caixas de cloroquina. Enquanto isso, estamos perto de chegar a 100 mil mortes pela covid-19. Não estamos, definitivamente, no melhor dos mundos.

Dê um alô
Faça contato a gente. O Portal InvestNE usa o e-mail portalinvestne@gmail.com. O número de WhatsApp é +55 85 99855 9789.

Deixe uma resposta