81% das grávidas receiam infecção nas consultas do pré-natal e 83% temem contaminar os filhos

Pesquisa divulgada hoje (quarta-feira, 19.08) pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) traz dados sobre o impacto da covid-19 na saúde das gestantes, futuras mães e seus bebês

O levantamento teve abrangência nacional e foi realizado via plataforma Survey Monkey entre 20 de julho e 16 de agosto. Foram ouvidos 1.525 médicos especialistas. Na percepção deles, 83% das gestantes e novas mães temem contaminar seus filhos e 81% acreditam que a infecção possa ocorrer nas consultas do pré-natal.

Gineco-obstetrícia

No campo da Ginecologia e Obstetrícia, a percepção dos especialistas é de que mais da metade das grávidas não tem conseguido realizar os exames de pré-natal de forma adequada e no tempo correto.

Noventa por cento dos médicos confirmaram a necessidade de orientação mais ampla sobre a importância do pré-natal durante o isolamento. Segundo os entrevistados, a maior preocupação de 6 a cada 10 gestantes é a de infectar os seus bebês.

Esse medo influencia na rotina de assistência e se acentua às vésperas do nascimento. Na visão dos especialistas, 82% das futuras mães temem a internação hospitalar por ocasião do parto em virtude da COVID-19.

Além disso, 4 em cada 10 não sabem como proteger a si própria e aos bebês durante a amamentação, correndo riscos maiores de contaminação.

Pediatria

A visão dos pediatras vai de encontro a dos ginecologistas e obstetras. O entendimento é de que 74% das mães creem que a infecção por covid-19 possa ocorrer através do contato, 23% pelo ar e 2% pela amamentação.

Outra apreensão destacada pelos especialistas é a de que mais de 70% das crianças estão deixando de ser vacinas durante a pandemia. 95% dos entrevistados relataram estarem mais preocupados neste período.

Ainda segundo os pediatras, o isolamento teve impactos diretos no comportamento dos pacientes. Em sua percepção, 9 a cada 10 apresentam alterações comportamentais em virtude da COVID, inclusive entre as crianças maiores. A mudança mais comum se refere a oscilações de humor (75%).

Deixe uma resposta