Cinco passos essenciais para liderar times remotos

Artigo de Gabriel Lima, CEO da Enext e autor do livro Líderes Digitais um ensaio sobre como gerir negócios digitais na visão de 21 líderes brasileiros:

Um dos principais pilares das organizações digitais são as múltiplas formas de trabalho. O trabalho remoto, em especial, tem ganhado muito espaço nas organizações devido a necessidade de distanciamento social. Para funcionar e não impactar no nível de entregas, essa modalidade depende tanto do colaborador quanto da gestão. Ao longo de mais de um ano pesquisando a mente de alguns dos principais líderes digitais do Brasil para compor o livro “Líderes digitais, um ensaio sobre como gerir negócios digitais na visão de 21 líderes brasileiros”, destaquei alguns passos essenciais para construir uma boa agenda de trabalho home office.

O primeiro é a organização, seja a organização de sua agenda de trabalho, a organização da rotina de conversas que vai ter com seu time ou sua organização pessoal para executar as tarefas. O líder digital também deve se preocupar com a organização de um espaço físico dentro de sua casa que será dedicado para a execução do trabalho remoto, além de assegurar que seus colaboradores terão a infraestrutura necessária para performar, como acesso a internet, equipamentos e acessórios de trabalho. Uma sugestão para o líder digital é montar uma agenda para toda e qualquer atividade que deverá ser executada dentro do horário do expediente e alinhar isso com cada colaborador.

O segundo passo é a responsabilidade. O trabalho remoto, assim como o trabalho no escritório, exige profissionalismo e dedicação. A diferença entre uma forma e outra é que a responsabilidade pela execução do trabalho, quando se está trabalhando de casa, é do colaborador. Neste sentido, o líder precisa comunicar para seus colaboradores que eles devem ter consciência de que precisarão ser responsáveis inteiramente pelas suas entregas, e cobrar por isso. Uma sugestão para mostrar responsabilidade é o líder ser pontual em todos os compromissos agendados, sejam suas entregas, seja sua participação nas videoconferências. Essa transparência ajudará muito no engajamento de todos. Além disso, a prioridade passa a ser muito mais urgente, pois a pessoa que pode ajudar a resolver não está ao lado. Neste caso, a disponibilidade do líder é fundamental para ajudar a organizar estes problemas e reduzir os atritos para melhorar a performance

Já o terceiro ponto é a disciplina. Geralmente associamos nossa casa a momentos de lazer e bem estar. É raro pensarmos neste ambiente para nos dedicar a uma atividade profissional. Sendo assim, é necessário criar uma nova disciplina mental para fazer o trabalho fluir de casa e ajudar os colaboradores a fazer o mesmo. 

O quarto item é a clara definição de protocolos. Pode não parecer, mas o espaço físico das empresas, assim como a interação presencial entre seus colaboradores, ditam muitos dos ritos e protocolos do negócio. No caso do trabalho remoto, esse ritos e protocolos para serem mantidos precisam ser externalizados constantemente pelo líder digital. É papel dele determinar quais serão esses ritos como, por exemplo, como serão feitas as videoconferências, os controles das entregas e dos relatórios de acompanhamento. O líder digital deve ser o guardião desses ritos e prezar para que todos os colaboradores sigam com responsabilidade, disciplina e organização.

Por fim, estamos acostumados com a nossa rotina, com o modelo mental que montamos para performar nossas atividades. Esse momento exige a quebra desse paradigma e a nossa capacidade de conseguirmos nos adaptar à nova situação e ao novo ambiente de trabalho remoto e de negócios que vamos viver. Minha sugestão é o líder digital manter a calma, a serenidade, mas acima de tudo, enxergar com bons olhos a mudança e a saída da zona de conforto. 

S

Deixe uma resposta