Com home office em alta, franquias enxutas crescem como opção de investimento

Empreender por necessidade se tornou algo muito comum nos últimos meses. Com o início da pandemia, milhares de brasileiros ficaram desempregados e apostaram no franchising como forma de ter o próprio negócio e retornar ao mercado de trabalho.

Com a necessidade de reduzir gastos, a escolha dos empreendedores tem sido por modelos de negócios enxutos, que necessitam de pouco espaço para empreender, principalmente que possam ser conduzidos de forma remota, o tradicional home office. Além de ser ainda uma opção mais flexível e que gera menos custos, e com a possibilidade de ter alta produtividade.

Segundo recente análise da série histórica da Pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada no Brasil com o apoio do Sebrae, o país deve atingir o maior patamar de empreendedores iniciais dos últimos 20 anos, com aproximadamente 25% da população adulta envolvida na abertura de um novo negócio ou com um negócio com até 3,5 anos de atividade. Ou seja, um quarto da população adulta estará envolvida com o seu próprio empreendimento.

Conheça três redes de franquias que podem ser conduzidas home office em um espaço de apenas 10m2 e com investimento que encaixa em todos os bolsos:

Distrito Digital

A franquia Distrito Digital é uma agência digital especializada em marketing local e de vendas on-line como anúncios, criação de sites padrão, landing page, loja virtual, anúncios no Google e nas redes sociais direcionado para micro e pequenas empresas. Fundada em 2018, a Distrito Digital oferece ainda solução especializada em publicidade local através de um guia comercial – on-line, aplicativo e modelos pré-prontos. Atualmente a rede conta com quatro unidades nos estados de Goiás, São Paulo, Maranhão e Paraná.

A rede possui modelo de operação enxuta indicado para espaços de apenas 10m² e com tendência de crescimento no setor de franquias.

A franquia planeja encerrar o ano de 2020 com 36 unidades e faturamento de R$2,1 milhões. O valor de investimento inicial varia entre R$13.500 (para região até 90 mil habitantes) e de R$18.500 (para cidades ou região com capacidade para atender 250 mil habitantes).

“Trabalhar com franquia enxuta é ideal para quem busca trabalhar com quadro de funcionários reduzidos. Geralmente esse tipo de negócio solicita investimento baixo, como é o caso da franquia Distrito Digital, que entre as vantagens ainda há a flexibilidade do horário e também por se tratar de um negócio próspero no mercado”, afirma César Marcondes, diretor executivo do Distrito Digital.

Dot Bank

Fundada em 2019, na cidade de Birigui, interior de São Paulo, o Dot Bank é um banco digital voltado para empresas com alto volume de emissão de boletos bancários e que desejam automatizar 100% seu fluxo de pagamento e recebimento. Além desses serviços, a plataforma também realiza conciliação e automação de finanças com integrações em softwares de gestão, entre diversos outros.

A rede atua exclusivamente com o modelo home office e exige espaço físico de apenas 10 m2. Para se tornar um franqueado é necessário investimento inicial de R$6 mil (já somado a taxa de franquia + capital de giro). O faturamento médio mensal gira em torno de R$5 mil, com previsão do investimento entre 1 a 12 meses.

O Dot Bank é o primeiro banco digital do país a operar com modelo de franquia. Ele que entrou para o franchising em no início de 2020 e conta atualmente com 15 unidades espalhadas por 8 estados. A rede almeja encerrar o ano com 25 operações.

“Trabalhar home office não é atual, mas ganhou muita força este ano. Por isso acredito que as nanofranquias são uma boa opção para quem busca empreender pela primeira vez. Além do baixo valor de capital, é uma forma de driblar essa crise e ao mesmo tempo tirar os planos de empreendedorismo do papel”, avalia Marcelo Salomão, diretor executivo do Dot Bank.

Gigatron Franchising

Com mais de 20 anos no mercado, a Gigatron Franchising se destaca pela inovação e qualidade de seus produtos e serviços dentro da área de Tecnologia da Informação, especialmente ao que se refere a softwares para pequenas e médias empresas do varejo. Com o uso de uma metodologia própria, o crescente desenvolvimento do negócio e a propagação de um serviço inovador criado pela empresa – o software de Gestão Giga ERP – impulsionou a entrada da marca no franchising em 2012.

A rede especializada em desenvolvimento de software conta hoje com 52 unidades distribuídas entre os principais estados brasileiros. Com apenas R$2.500 já é possível se tornar um licenciado através do modelo home office, com faturamento médio mensal de R$5 mil. O negócio exige estrutura mínima: apenas um computador, telefone e internet em uma área de cerca de 10m2.

Somente este ano a Gigatron inaugurou 11 unidades e tem expectativa de conquistar mais 8 operações até o final de 2020, além de fechar com faturamento de R$ 11 milhões.

“Durante a pandemia reestruturamos nosso negócio, diminuímos a taxa de franquia e criamos um modelo de negócio intitulado como Plano Habitacional. A ideia é deixar as cidades de até 100 mil habitantes mais competitivas, em função do baixo volume de possíveis clientes”, explica Victor Ruiz, sócio e diretor comercial da Gigatron Franchising.

Deixe uma resposta