Empresas são consideradas as principais responsáveis pelo desenvolvimento profissional das pessoas

A pesquisa “Global Human Capital Trends 2020” feita pela Deloitte indica que a maioria dos participantes, 73%, considera que as organizações são as principais responsáveis pelo desenvolvimento da força de trabalho.

Ao considerar a importância da educação corporativa é preciso lembrar que a efetividade está ligada à prática contínua e o desenvolvimento de um pensamento crítico, como explica a diretora de gente e gestão do Grupo Elfa, Aline Sueth. “A empresa tem um impacto significativo na preparação das pessoas. Hoje, os treinamentos nas empresas criam um momento de reflexão, de senso crítico, em que o facilitador coloca os temas e cada um vai conseguir interpretar e absorver um pouco de cada parte apresentada. Quando falamos em educação corporativa é importante perceber que as empresas tem uma maior efetividade na preparação porque não mecaniza o conteúdo, mas sim trazem a oportunidade de aprender praticando e formam um pensamento crítico”, destacou.

Um estudo feito pela empresa de consultoria Korn Ferry, este ano, com diretores de RH, mostrou que quase a metade, 45%, acredita que a escassez e a adequação de talentos terão a maior influência sobre as prioridades da área daqui para frente. A pesquisa mostra ainda que no futuro os líderes de RH terão como prioridade o aperfeiçoamento dos talentos. Para 37%, aprimorar a atual força de trabalho é uma estratégia para alcançar o sucesso.

Para Sueth, a pluralidade é um diferencial de preparação dos profissionais. “É preciso preparar as pessoas em todos os aspectos e não apenas em questões específicas. Cada conhecimento e experiência adquirida ao longo da vida faz com que o profissional seja mais completo e para que isso aconteça, sem dúvida, é preciso ter uma rede de conhecimento ampliada. Essa adequação de talentos representa a pluralização do conhecimento daquele profissional, não adianta ser só muito bom em uma coisa, é preciso trazer pluralidade”, explicou.

Neste período de pandemia diversas necessidades que já existiam antes foram evidenciadas, como a necessidade de propor atividades que estejam alinhadas com o ambiente de negócios e não apenas com os objetivos estratégicos da empresa. Desenvolver uma rede de competências vai ajudar a abranger todos os aspectos que envolver o aperfeiçoamento de cada pessoa.

Além disso, a empresa precisa pensar na educação corporativa como forma de contribuição para uma sociedade melhor. “Nessas ações de treinamento é importante considerar que além da questão direta, que é o resultado da empresa, essas ações atuam como uma proposta de valor para o próprio colaborador. Quando falamos em ampliar a potência dos treinamentos, não estamos tratando apenas de ajudar a empresa a atingir suas metas, mas também de criar um ser humano melhor, que irá contribuir para a construção de uma sociedade melhor. Com isso, o resultado vai além da estrutura da empresa”, finalizou Aline Sueth.

Deixe uma resposta