A Coluna do Roberto Maciel (sábado, 24.10): 157 mil mortes não são suficientes para a consciência de Jair Bolsonaro

Bolsonaro tem prazer em torturar o Brasil?

Bolsonaro é mais popular no Norte e no Centro-Oeste; veja cada região -  Época


O Brasil deve chegar neste fim de semana à marca de 157 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus, numa pandemia da infecções covid-19 que tem desafiado gestores sérios de diferentes segmentos. Não se trata, como se sabe, de uma “gripezinha”, um “resfriadozinho”, que causaria “menos de 800” óbitos, conforme tentou iludir a população o próprio presidente da República, Jair Bolsonaro, apesar das graves atribuições que o cargo confere a ele. Mesmo com uma contabilidade tão trágica como a que carrega nas costas, Bolsonaro não parece ter despertado para uma necessária e indispensável humanização. Tanto que, por razões econômicas ou ideológicas, ou problemas de intelecto ou de composição moral, vá saber, forçou o Ministério da Saúde a desistir de um acordo com o Governo de São Paulo para a compra de 46 milhões de doses de vacina do laboratório chinês Sinovac. O produto já se encontra em estágio de testes avançado, podendo salvar milhões de vidas no mundo todo. Mas Bolsonaro, que já se reconheceu como defensor da tortura, não o quer.

“E daí? Não sou coveiro!”
A frase que encima esta nota é uma das tantas demonstrações agressivas do presidente da República em relação às mortes decorrentes da covid-19. Responsável maior por um avassalador volume de óbitos, ele já chegou a dizer, anos atrás, que desejaria uma guerra civil no Brasil que resultasse em 30 mil cadáveres – não importando se gente inocente morresse. Pois conseguiu cinco vezes mais.

Proteção
Tramita na Câmara federal projeto que obriga as empresas a adotarem medidas de proteção aos trabalhadores em caso de emergência em saúde pública. Entre outros pontos, a matéria determina a flexibilização dos horários de trabalho, para reduzir o número de pessoas no mesmo ambiente, e a distribuição de equipamentos de proteção individual e materiais de higiene. Não tem, como se nota, relação nenhuma com o comportamento padrão do Palácio do Planalto.

Reconhecimento

Pesquisa do MTur aponta otimismo entre empresários do setor hoteleiro


E o governador Camilo Santana (PT), do Ceará, lançou o Programa Selo Estabelecimento Seguro. Trata-se de uma certificação destinada a empresas que cumprem medidas de prevenção à Covid-19. Hotelaria, alimentação e ensino estão entre os segmentos que podem ser contemplados pelo Selo. Os empreendimentos podem ser cadastrados pela plataforma Saúde Digital. Repetindo: “Não tem, como se nota, relação nenhuma com o comportamento padrão do Palácio do Planalto”.

Busão

Turismo e viagem para Salvador 2020 - Férias em Salvador


Novidades nas ruas de Salvador (BA, foto acima): começam a rodar por lá na próxima semana ônibus de um projeto inovador e ambientalmente responsável. O propósito é garantir a circulação de ônibus elétricos e também movidos a gás, respectivamente, pelo Subúrbio Ferroviário e pela Região Metropolitana de Salvador. O governador Rui Costa (PT) foi quem tratou de anunciar o serviço.

Caldinho
Alagoas tem, no saboroso cardápio que dispõe para nativos e visitantes, uma iguaria popular única. É o chamado “Caldinho do Vieira”, um prato que se disseminou pelo comércio popular de Maceió e tem similares em todos os municípios do Estado. O tal “caldinho” teria propriedades substanciais, entre afrodisíacas, atléticas e, claro, capazes de curar bebedeiras e ressacas.

Caldinho do Vieira, imortal! - Nide Lins

Temperado
A origem do “Caldinho do Vieira” remonta a 1972, criado por José Vieira dos Anjos, um ex-taxista que virou dono de mercearia – um empreendedor nato, pois, que chegou a vender 500 litros diários do caldo. O caso é que agora o deputado Bruno Toledo (PROS) quer considerar o prato patrimônio cultural imaterial de Alagoas. Ou seja, o prato ganhou tempero político.

Estamos no ar
O canal Coluna da Hora, resultado de parceria entre mim, a jornalista Eveline Frota e o músico e videomarker André Reis, está veiculando a partir de hoje (sábado, 24.10) entrevista com o presidente do Instituto de Planejamento Urbano de Fortaleza, Eudoro Santana. Ele fala sobre demandas da cidade e projeções para o ano de 2040. Inscrições, comentários e acionamento das notificações: https://www.youtube.com/colunadahora. E sempre às terças e quintas-feiras eu e a jornalista Eveline Frota temos lives no Instagram, também com a marca “Coluna da Hora”. Começamos às 17h e nossos encontros com internautas duram uma hora. Pode-se acessar e participar da Coluna da Hora no Instagram pelos perfis @evefrota ou @robertoamaciel.

Olá!
Dê um oi para o Portal InvestNE. Pode ser pelo e-mail portalinvestne@gmail.com ou pelo WhatsApp, no número +55 85 99855 9789.

Deixe uma resposta