Bancários da CEF se mobilizam para ajudar Manaus (AM) a enfrentar crise da #covid19 e do governo Bolsonaro

O estado do Amazonas vive um colapso na área da saúde por conta da escassez de oxigênio e de outros insumos hospitalares para pacientes em estado grave. Manaus é uma das cidades mais afetadas pela pandemia do coronavírus e enfrenta, junto com a sobrecarga do sistema de saúde, o aumento do número de mortes pela doença. Sensibilizada com essa situação dramática, a Associação do Pessoal da Caixa Econômica Federal no Amazonas (Apcef/AM) — com o apoio da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae) — promove uma campanha de arrecadação de recursos e insumos para a população da capital amazonense, como máscaras, capotes e luvas.

Como o cenário é cada vez mais grave, até alimentos estão sendo arrecadados pelos bancários da Caixa na capital amazonense. “Temos essa mutação do vírus, que tem alta transmissibilidade. Os próximos dias serão muito difícieis”, disse neste final de semana o governador do estado, Wilson Lima. 

A campanha da Apcef/AM conta com a adesão de empregados da Caixa lotados nas unidades do banco em Manaus. Os bancários estão fazendo doações financeiras em uma conta corrente específica aberta pela Associação: Agência Caixa 1548, Operação 003, Conta Corrente 2000-9 (CNPJ 04.170.338/0001-42).

O presidente da Apcef/AM, Osmar Pantoja da Silva, afirma que é mais do que urgente a busca de soluções para essa tragédia anunciada. “Não tem como ficar parado diante de muitos dramas humanos. O desespero das pessoas é cada vez maior. Procuram ajuda e não encontram o que precisam nos hospitais e em outras unidades de saúde”, ressalta.

A Fenae, também consternada com a situação, está mobilizando os bancários da Caixa de todo o país com o objetivo de ampliar o auxílio à capital do Amazonas. “É inadmissível que pessoas morram por asfixia nos leitos dos hospitais em Manaus devido à falta de cilindros de oxigênio e outros insumos”, lamenta o presidente da federação, Sergio Takemoto. “Toda ajuda é bem-vinda”, reforça.

VACINAÇÃO — Neste domingo (17), a Anvisa aprovou o uso emergencial das vacinas contra a covid-19 produzidas pelo Butantan e a Fiocruz. Em São Paulo, a imunização começou pelos profissionais de saúde. O ministro Eduardo Pazuello (Saúde) informou que a previsão é que o plano nacional de imunização contra a doença deva ter início nesta quarta-feira (20).

Por meio de ofício, o presidente da Fenae solicitou ao ministro Pazuello a inclusão dos empregados da Caixa no grupo prioritário de vacinação. Sergio Takemoto destaca que os bancários atendem a um público volumoso e em ambiente fechado.

Somente em 2020, durante o pagamento do auxílio emergencial, cerca de 120 milhões de brasileiros foram atendidos pelo banco. Além deste benefício, a Caixa Econômica Federal também é responsável pela administração do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e de outros programas sociais, que demandam atendimento presencial. Estas atividades, segundo o ofício enviado pela federação, são “essenciais para a sobrevivência da população”.

“Compreendemos que a vacinação desse público prioritariamente [bancários da Caixa] contribuirá para diminuir a disseminação do coronavírus, no momento em que temos tido notícias de novas cepas circulando no país. Considerando a frequente exposição dos bancários ao vírus no contato com cédulas, documentos e caixas eletrônicos, tal medida será positiva tanto para a população quanto para os trabalhadores do banco”, diz o ofício da Fenae.

Deixe uma resposta