Estudo aponta que mulheres iniciam no mercado financeiro mais jovens que os homens

Em março, mês em que é celebrado o Dia Internacional da Mulher, a startup de educação financeira Me Poupe! apresenta pesquisa inédita desenvolvida em parceria com a Toluna, fornecedora líder de insights do consumidor sob demanda. O estudo, realizado em todo o Brasil entre 1 e 3 de março de 2021, aponta, entre outros dados, que mulheres começam a investir mais cedo que os homens: entre as entrevistadas, 21% disseram ter iniciado com os investimentos entre 19 e 24 anos. No universo masculino, os que começaram com a mesma faixa etária representam 11%.

Além de mais jovens, elas também decidem investir ganhando menos dinheiro: 25% já investem com um salário a partir de R$3.000, enquanto apenas 22% dos homens começam a investir com a mesma renda. A pesquisa aponta, ainda, que elas são maioria entre as faixas mais baixas: entre os investidores que ganham menos de R$1045, as mulheres representam 58%.

O público feminino também é mais independente: a porcentagem de mulheres que decide sozinha onde investir é de 38% contra 35% de homens que tomam a mesma decisão sem consultar ninguém. Outro dado relevante se diz em relação aos investimentos como possível renda que auxiliou famílias durante a crise gerada em decorrência do coronavírus: 24% das mulheres que investem disseram ganhar menos hoje do que ganhavam antes da pandemia, porém, entre as não investidoras esse total sobe para 42%.

As mulheres que já investem estão despertando interesse por novas modalidades: apenas 9% disseram apostar no mercado de ações há mais de um ano. Quando falamos do período de seis meses a um ano, este número sobe para 20% de mulheres investindo na modalidade. Ainda sobre o tema, somente 6% delas apontaram investir no tesouro direto há mais de um ano. Já no grupo que disse investir entre seis meses a um ano, temos 19% da amostra optando por esta modalidade.

Mesmo com este crescimento representativo, as mulheres são apenas 25,43%¹ das investidoras na bolsa de valores e 32,8%² dos CPFs cadastrados no tesouro direto. “Estamos no caminho, mas precisamos incentivar cada vez mais mulheres a conhecerem todas as possibilidades de investimentos inteligentes. Minha meta é que esse ano as mulheres cheguem a 30% da bolsa de valores”, diz Nathalia Arcuri, fundadora da Me Poupe! e maior influenciadora de finanças do país, que também lançou essa semana nas suas redes sociais a campanha “Somos Todas Investidoras”, para incentivar maior participação do público feminino no universo dos investimentos.

Para Nathalia, “a internet tem papel fundamental para mudança do pensamento de que a economia é algo restrito ao masculino e às altas classes sociais. E é isso que fazemos na Me Poupe!: democratizamos a educação financeira no Brasil, com linguagem acessível e descomplicada”. Segundo pesquisa da B3, divulgada em dezembro de 2020, 73% das pessoas entrevistadas, naquele momento, disseram ter aprendido sobre finanças com canais do Youtube e Instagram e 43% em plataformas online.

A plataforma Me Poupe! hoje contempla o canal Me Poupe! no YouTube, cursos de finanças como o recém lançado Minha Carteira Número Um, que fala especificamente sobre renda variável, dois livros, o “Me Poupe! 10 passos para nunca mais faltar dinheiro no seu bolso”, com mais de meio milhão de cópias vendidas, e “Guia Prático Me Poupe! – 33 Dias Para Mudar Sua Vida”, além do podcast Poupecast, além de programa de rádio e conteúdos gratuitos sobre educação financeira no blog e redes sociais. A Me Poupe!, que impacta diretamente mais de 21 milhões de pessoas por mês, foi considerada uma das 100 marcas mais lembradas durante a pandemia.

Deixe uma resposta