Cinco tendências que impulsionam o crescimento da construção industrializada

Artigo de Fátima Gonçalves, diretora de Novos Negócios da Trimble, empresa de soluções tecnológicas para aumento de produtividade e redução de custos:

A construção modular e pré-fabricada tem sido usada há vários anos como um método de baixo custo para construir edifícios de longo prazo e temporários. Além disso, também é utilizada para construir em áreas onde as obras convencionais são impraticáveis. 

Mas, recentemente, a popularidade da construção modular disparou entre arquitetos, projetistas e engenheiros, levando muitas empresas de construção a escolher o método exclusivamente em relação aos processos tradicionais de construção. 

A construção modular está mudando os horizontes da cidade.

Agora, arquitetos adicionaram mais de uma dúzia de edifícios modulares ao icônico horizonte de Nova York, incluindo o complexo de apartamentos de 32 andares de altura, 461 Dean Street. No entanto, o edifício modular mais alto do mundo está situado em Londres, onde 101 George Street sobe com impressionantes 44 andares.

Mas por que só agora tantas empresas estão adotando esse método de construção de décadas atrás? Que segundo a empresa de pesquisa McKinsey prevê que valerá quase US$ 130 bilhões até 2030? Listamos as 5 principais tendências que podem responder essa pergunta.

Crescimento populacional

O rápido aumento da população em regiões como China e Índia ajudou a aumentar a popularidade da construção modular e pré-fabricada, o que permite uma construção rápida e econômica. De acordo com a pesquisa da Dodge Data & Analytics, quase 60% das empreiteiras e gestores gerais de construção veem uma redução no cronograma de um projeto e uma redução de 5 a 10%no custo devido às técnicas modulares e de pré-fabricação utilizadas.

A escassez de moradias pode em breve ser coisa do passado, já que se estima que o residencial seja o maior segmento do mercado de construção modular no futuro.

Mais verde e menos desperdício de material

A construção modular não é apenas mais rápida; é mais verde também.

Os edifícios modulares são construídos em uma fábrica antes de serem montados no local em módulos. É fácil reciclar e reutilizar materiais, bem como supervisionar o inventário, o que significa que é muito menos desperdício de material. Isso contrasta com os canteiros de obras tradicionais, onde materiais não usados são frequentemente jogados fora. Os materiais não estão expostos aos elementos, por isso não são danificados por condições climáticas extremas. Além disso, eles podem ser protegidos no ambiente de fábrica para evitar potenciais riscos de corrosão.

Isso ajuda a mitigar a crescente preocupação com o impacto das flutuações nos custos de materiais, o potencial das tarifas sobre materiais críticos e a necessidade de reduzir o desperdício. Outro benefício claro é que edifícios modulares ou com painéis podem ser desmontados e realocados ou reformados para novo uso. Isso economiza tanto matérias-primas quanto energia, reduzindo a necessidade de novas construções. 

Falta de mão-de-obra qualificada

A construção modular não só é mais rápida e muitas vezes mais acessível, mas requer mão-de-obra menos qualificada também.  De acordo com o Índice de Construção Comercial do 4º trimestre de 2019, 89% das empreiteiras pesquisadas relataram ter dificuldade em encontrar trabalhadores qualificados. 

Uma das razões para isso, de acordo com Steven Napper, diretor da Modern Engineered Software Solutions Ltd, é que mais pessoas estão deixando a indústria do que entrando, e em 10 anos poderíamos chegar a um ponto em que não há recursos suficientes para construir nada. Além disso, prevê-se que o aumento da automação reduza ainda mais o mercado de trabalho. Hoje, o mercado global de automação de armazéns vale US$ 13 bilhões e deve crescer para US$ 27 bilhões até 2025.

Encontrar trabalhadores qualificados o suficiente para coletar dados em campo também é difícil quando você ainda está confiando em métodos manuais demorados. A coleta tradicional de dados é uma tarefa intensiva em mão-de-obra, que exige várias pessoas e vários dias ou semanas para ser concluída. Como a varredura 3D simplifica o processo, reduz a necessidade de trabalhadores qualificados realizarem tarefas críticas.

O processo manual pode levar duas semanas e quatro trabalhadores para digitalizar uma área existente de um edifício, e requer cerca de 3.000 horas de trabalho.  As soluções de digitalização 3D transformam as varreduras em um modelo 3D em apenas 300 horas, resultando em uma redução de 90% na mão de obra. 

Requisitos de construção pública  

Os investimentos em construção pública estão crescendo devido à pandemia coronavírus, a estratégia do primeiro-ministro britânico Boris Johnson para tirar a economia britânica da recessão mais profunda em 300 anos é “construir, construir, construir”. A construção modular e com painéis é uma parte fundamental dessa estratégia. 

Mas a adoção da construção modular está muito atrasada. Há mais de duas décadas, o Relatório Egan  destacou fatores que impulsionaram o fraco desempenho na indústria da construção civil, e pouco foi feito para superá-los. Desde então, várias revisões governamentais confirmaram que as recomendações do relatório, como a implementação do “uso maximum de componentes e processos padrão”, não foram abordadas. De fato, relatórios publicados recentemente em 2018 servem apenas para reforçar as ideias originais do Relatório Egan.

Um relatório  do International Journal of Advanced Manufacturing Technology ·observa que a meta de avaliação competitiva de desempenho em todo o ciclo de vida do produto deve ser cumprida para que a Estratégia Industrial aumente a produtividade na indústria da construção. Atualmente, a implementação da avaliação competitiva ainda é um desafio significativo a ser enfrentado. Os benefícios do conceito de boas práticas ainda são mal compreendidos, apesar de serem amplamente investigados por profissionais e pesquisadores.

Aumento do uso de tecnologias modernas

De acordo com o Relatório Linker, o mercado de Modelagem de Informações da Construção (BIM) deve crescer significativamente nos próximos quatro anos. Isso se deve ao aumento dos gastos e investimentos na construção civil e ao aumento da digitalização. A expertise em BIM é um componente crucial da construção modular. De fato, de acordo com a pesquisa recente da Dodge Data & Analytics  sobre construção modular e pré-fabricada, apenas o uso do BIM melhorará o desempenho do orçamento e do cronograma em 30%.

O uso do BIM na fase de planejamento é particularmente benéfico para a construção modular, porque não há muito espaço para erros, e porque o projeto precisa ser acordado no início do processo. Por exemplo, ao trabalhar dentro de um espaço limitado, o nível de detalhe BIM evita erros de cálculo caros.

Soluções tecnológicas modernas permitem que os projetos colaborem remotamente sem interrupções e até mesmo trabalhem no mesmo modelo para garantir o projeto livre de interferências. Isso os ajuda a planejar e gerenciar projetos juntos, de forma simples.

Outro fator importante que contribui para o sucesso da construção modular é o escaneamento a laser. Com sistemas como, por exemplo, o  Trimble X7 Scanning System, a pré-fabricação pode ser facilitada fora do canteiro de obras. É possível usar as condições de digitalização como construídas para fabricar eficientemente com precisão fora do canteiro de obras e instalá-los, com previsibilidade e sem retrabalho.

Quando combinamos os benefícios da construção modular e pré-fabricada com o poder da tecnologia moderna, podemos alcançar resultados grandiosos. Para se ter uma ideia, a construção fora do canteiro de obras é 20% mais econômica do que a construção tradicional.  Dependendo do tamanho do projeto, essa economia é equivalente a bilhões de reais, além de menos poluição, retrabalho e dores de cabeça. Parece um sonho não é mesmo? Mas é real.

A construção modular é um caminho sem volta. Não fique para trás.

Deixe uma resposta