Com o crescimento do comércio online devido à pandemia, crescem também as fraudes digitais

As vendas no mundo digital, que já vinham aumentando antes da pandemia, tiveram um aumento maior ainda com os lockdowns em todo o País. Segundo a Ebit/Nielsen, as vendas do e-commerce no Brasil em 2021 devem crescer 26%, atingindo um faturamento de R$110 bilhões, mantendo a força do setor e indicando uma consolidação das lojas e dos marketplaces do mundo virtual. Com o crescimento do comércio digital, crescem também as fraudes online. “Golpistas se aproveitam do investimento das empresas em anúncios online, valendo-se de diferentes tipos de violações de marca e competição injusta para atrair clientes para seus próprios negócios”, afirma Daniel Filla, diretor geral, no Brasil, da AdPolice, líder mundial em controle de fraudes de tráfego digital. A empresa atua como uma patrulha digital para que anúncios de uma marca não sejam usurpados. 

Segundo Daniel, a média de perda dos investimentos em campanhas de busca devido a estas fraudes chega a 30% do total. “Infelizmente, quanto maiores as vendas, mais se perde em fraudes”, explica Daniel.

Esses golpes são feitos por meio de uma prática conhecida como Brand-Bidding, quando competidores se aproveitam das palavras chave de uma empresa para desviar para seu domínio as buscas online de potenciais consumidores. Outra forma de fraude é conhecida como Ad Hijacking, ou sequestro de anúncios, quando afiliados e parceiros publicam uma cópia exata do anúncio de uma loja e passam este para trás ao superar o investimento em seu lance por apenas alguns centavos. 

Assim, competidores, rivais diretos, copiadores e até parceiros e afiliados podem explorar a presença de várias empresas no mercado virtual — procurando as maiores empresas na busca de maiores lucros — e causar danos financeiros significativos que, na maioria das vezes, passam despercebidos pelos proprietários da marca. Foi pensando em identificar e resolver problemas como esse, além de tornar o trabalho de performance em mecanismos de busca mais previsível e lucrativo para empresas com presença online, que a AdPolice foi criada. 

Como uma marca pode ser alvo de fraude digital?

Competidores podem usar palavras-chave de uma marca para seus próprios objetivos de visibilidade em mecanismos de busca. Caso algum Brand-Bidder use a palavra-chave de uma marca específica em um anúncio, consumidores em potencial podem acabar na página de um terceiro, resultando em perda de tráfego e, eventualmente, vendas. Algumas das estratégias que esses fraudadores usam para não serem pegos são a segmentação geográfica, criando anúncios com especificação geográfica que exclui o local de trabalho dos agentes da marca, ou até mesmo colocando seus anúncios em horários alternativos, como durante a noite e em fins de semana, quando os donos da marca e os agentes não estão ativos. Além disso, eles podem se aproveitar de erros de digitação dos usuários, ou até se valer da negligência dos donos das marcas e agências em relação a outros mecanismos de busca menores e estrangeiros, que não são tão comuns quanto o Google.

A AdPolice lida com essas situações desde que foi fundada, e possui a expertise, o conhecimento técnico e as ferramentas para revelar e impedir ações fraudulentas. Além disso, a empresa trabalha com escritórios de advocacia especializados em propriedade intelectual e patentes, garantindo a possibilidade de tomar atitudes também em âmbito legal contra os fraudadores.

Com o programa “BrandProtect”, a AdPolice é capaz de fazer uma varredura completa na busca de maus usos de uma marca registrada, monitorando palavras-chave relacionadas à empresa de maneira frequente em mais de 90 países, 24 horas por dia, 7 dias por semana. Já com o produto “IndustryWatch”, a AdPolice entrega informações aprofundadas sobre o comportamento dos principais competidores nos mecanismos de busca, provendo insights detalhados sobre Marketing de Busca que podem ser imediatamente aplicados para otimizar campanhas. 

Quais são os benefícios de um serviço de patrulha digital?

Entre os benefícios apontados por seus clientes, destaca-se o impacto positivo no orçamento. Quando a marca é alvo de fraudes, ela acaba perdendo dinheiro sem nem perceber, pois as visitas podem não ser convertidas em vendas pela atuação dos brand-bidders. Quanto mais uma palavra-chave é usada na hora de fazer anúncios nos mecanismos de busca, o custo por clique (CPC) aumenta, fazendo com que a empresa tenha que investir mais para usar a própria palavra-chave de sua marca registrada. Tendo um monitoramento desses dados e de quais concorrentes fazem isso por meio de um serviço de patrulha digital, o CPC é reduzido significativamente, tornando possível realocar os recursos do orçamento e investir em outros setores do negócio. A marca internacional Gore, de roupas e equipamentos esportivos, teve uma redução de 40% no seu CPC (custo por clique) ao contratar os serviços da AdPolice.

Isso acontece porque os fraudadores são notificados e os anúncios falsificados retirados. Assim os usuários são conduzidos mais direta e rapidamente à oferta original, diminuindo os riscos de prejuízo financeiro e até mesmo de reputação da marca, e aumentando a possibilidade de vendas no site.

Deixe uma resposta