Conheça seis dicas para a cultura da empresa se fortalecer

Com a pandemia, muitas empresas têm experimentado situações com suas equipes alocadas em home office, o que pode afetar as relações profissionais e chacoalhar a cultura da empresa. Mas como manter o que foi construído em um novo modelo de trabalho? Para isso, consultorias de RH apostam na criação de um Manifesto da Cultura para manter a identidade da empresa mesmo com as equipes alocadas remotamente.

O Manifesto da Cultura é uma das estratégias para diagnosticar e escrever sobre a cultura da empresa, promovendo a identificação das pessoas que nela trabalham ou que tenham interesse em ingressar na empresa. “A cultura é uma cola organizacional, que mantém as pessoas interessadas, conectadas e, no nível mais profundo, engajadas. É modelada também pela relação com os stakeholders (clientes, fornecedores) e percebida por eles”, conta Sueli Ruiz, CEO da Humanos Criativos, empresa com foco em ações de desenvolvimento customizadas.

E na tentativa de responder à demanda dos talentos do mercado, as organizações têm tentado ativamente desenvolver as suas respectivas culturas internas. “Entretanto, é necessário entender que uma cultura é algo que se molda internamente ao longo do tempo e que não é simplesmente trazido com os colaboradores que entram na empresa”, pontua Silvia Piva Grillo, psicóloga e fundadora da Grillo Consultoria.

Entretanto, de acordo com ela, as grandes startups e empresas unicórnio têm muito bem definido o seu manifesto de cultura assim que nascem: elas entendem que a geração mais presente agora no cenário de trabalho são os Millennials, e estes, possuem uma visão sobre questões relacionadas ao trabalho, que influencia diretamente nas mudanças de hábitos e condutas das empresas. “Para eles, carreira não se trata mais de um emprego estável ou extremamente duradouro, mas sim, de um trabalho em um lugar que tenha significado, valor, comunidade e cultura.”

Uma característica muito marcante na cultura de startup é a proximidade que as lideranças têm com as equipes de trabalho – inclusive com o CEO. Nessas empresas, a horizontalidade prevalece e todos os colaboradores podem ter contato direto com qualquer outro membro do negócio, independentemente do cargo assumido. Quanto mais horizontalidade, maiores são a motivação e o engajamento da equipe.

Ambas as consultoras reforçam que a cultura é um conjunto de muitas coisas que são vividas todos os dias e ela não se perde, e sim se transforma. A pandemia afastou as pessoas deste convívio exigindo uma ressignificação, e é quando tanto líderes quanto colaboradores precisam manter a cultura viva.

Para ajudar neste tema, as profissionais pontuam abaixo 6 dicas para as empresas manterem a cultura organizacional durante a pandemia.

  1. É possível cultivar, viver, relembrar a cultura implementando ações para relembrar o jeito de ser da empresa, mantendo a conexão entre as pessoas. Uma dessas iniciativas é criar o Manifesto de Cultura, onde todos são envolvidos na construção deste documento.
  2. Instituir, se for o caso, as chamadas “dailys”, reuniões rápidas e diárias entre os membros das equipes sempre pontuando frases/slogans que representem a identidade da empresa.
  3. Incentivar reuniões semanais com a equipe estimulando a participação ativa e uma rotina quinzenal ou mensal entre o gestor e o colaborador (individual).
  4. As reuniões que iniciam com demonstração de como a cultura é importante, como por exemplo, um elogio do cliente à resolução rápida de um problema com envolvimento de todos, reforçam comportamentos positivos e atuam para a manutenção da cultura.
  5. Incluir na avaliação de desempenho o item aderência à cultura, onde o colaborador descreve ações e comportamentos que  reforçam o seu envolvimento com a cultura da empresa.
  6. Incluir o Manifesto da Cultura nos treinamentos e eventos é essencial.

Para as consultoras, o principal é evitar que a empresa caia no erro de deixar de lado todos os valores da cultura só porque a situação mudou e o contexto é instável. É em momentos de crise como este, onde as empresas estão fazendo várias mudanças de processos, demissões, ajustes etc. que a cultura tem que se provar. Então, se a empresa conseguir atrelar às novas medidas os princípios e valores, a cultura tende a sair mais fortalecida quando tudo passar.

Deixe uma resposta