Brasileiros preferem estudar idiomas à noite

O Duolingo, o app educacional gratuito mais baixado do mundo – com mais de 500 milhões de usuários e 30 milhões no Brasil -, revelou que os brasileiros gostam principalmente do período noturno para estudar línguas.
De acordo com o Duolingo Language Report, relatório anual de aprendizado de idiomas da plataforma, o Brasil é um dos países que se encaixam nos 41,6% das nacionalidades que estudam no app entre 21h e 22h. Então, os brasileiros podem ser considerados night owls – expressão em inglês que se refere àqueles que são ativos durante à noite.

Quanto ao horário preferido dos brasileiros para fazer provas e exames, a preferência de horário é mais equilibrada. Entre os estudantes que realizam o Duolingo English Test (teste de proficiência em inglês remoto e aceito em milhares de universidades, como Yale, Stanford e NYU), 54% escolhem fazê-lo entre 3h e 15h, enquanto os outros 46% preferem entre 15h e 3h.

O que realmente importa é escolher o período em que o aluno se sente mais ativo e disposto e manter a constância na prática. Ou seja, tanto faz se você prefere estudar na cama ou a caminho do trabalho – encontre um horário que funcione para você e construa um hábito que você possa integrar no seu dia a dia com facilidade!”, explica a Dra Cindy Blanco, cientista de aprendizagem do Duolingo.

Vale lembrar que o rendimento do estudo tem a ver com o horário, mas também com uma boa alimentação, a prática de exercícios e uma boa noite de sono. Além disso, um ambiente confortável e silencioso auxilia muito na concentração, seja pela manhã, durante a tarde ou à noite.

“A liberdade de escolher quando e onde irão se dedicar, de acordo com a sua disponibilidade e preferência é uma das muitas vantagens em se estudar um novo idioma no Duolingo”, comenta Analigia Martins, diretora de marketing do Duolingo no Brasil. “Com apenas 15 minutos por dia, o aluno pode aprender uma língua gratuitamente, precisando apenas de um celular ou computador e de acesso à internet”.

Deixe uma resposta