Ceará e Qair Brasil firmam acordo sobre projetos de energias renováveis com investimento de US$ 6,95 bi

O governador Camilo Santana (PT) assinou Memorando de Entendimento entre o Governo do Ceará e a multinacional Qair Brasil para o desenvolvimento de planta de produção de hidrogênio verde com energia elétrica gerada através do Complexo Eólico Marítimo Dragão do Mar e de um parque de energia eólica offshore (dentro do mar). O investimento total previsto é de US$ 6,95 bilhões, com geração de 2.000 empregos durante a construção das plantas e 600 empregos diretos quando da plena operação dos projetos.

Camilo Santana lembrou que o Ceará é pioneiro no campo das energias renováveis. “Estamos falando do combustível do futuro, com a hidrólise da água somado com a energia solar, teremos o hidrogênio verde, uma energia limpa a ser exportada para Europa e outros países do mundo inteiro. E que deve substituir os combustíveis fósseis no futuro. Aqui o Ceará partiu na frente e criou um grupo de estudo com a Fiec, para atrair investimentos. Esse projeto da Qair é um investimento de quase 7 bilhões de dólares, que vai permitir descentralizar e que vai estimular a produção de energia renovável por todo o interior do Ceará”, explicou. Ao seu lado estavam a vice-governadora Izolda Cela, Armando Leite Mendes de Abreu, presidente Qair Brasil, Ricardo Cavalcante, presidente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), e Cândido Albuquerque, reitor da Universidade Federal do Ceará (UFC).

O presidente da Qair Brasil, Armando Abreu, garantiu que, com o apoio do Governo do Ceará, e das instituições, vai concretizar todos esses investimentos previstos. “Realmente é um momento muitíssimo importante para Qair; é mais um passo na continuação dos investimentos e da estratégia de desenvolvimento da Qair no Brasil, e no Ceará, onde fica nossa sede no Brasil, e vamos continuar aqui e concretizar todos esses investimentos”, informou.

“Esse projeto nos coloca em posição de uma mudança de paradigma, do Ceará e do mundo. Estamos diante de uma multinacional que assina um memorando, e já estamos nos preparando com Sesi, Senai e Iel, pois se trata de um investimento bilionário e em dólares, coisa que não conseguimos ver hoje em dia no Brasil, mas estamos disso aqui no Ceará. Precisamos acreditar e reconhecer que o Ceará está dando exemplo para o mundo, não só em descarbonizar a emissão de energia que existe, como diminuir a emissão de gás carbônico na camada de ozônio”, apontou Ricardo Cavalcante, presidente da Fiec.

Finalizando a transmissão, o governador listou uma série de atrações de investimento no Ceará. “Transformamos o Ceará num HUB de oportunidades, com o HUB aéreo, que chegamos a ter 48 voos internacionais diários, e que vamos retomar pós pandemia. O Hub portuário, em parceria com o porto de Amsterdam e que gerou mais importação e exportação no Estado. O HUB tecnológico, com os cabos subterrâneos de internet, nos tornando o segundo ponto do planeta mais conectado. E agora com o HUB de hidrogênio verde, uma estratégia econômica que pode mudar o perfil do Ceará no campo dos investimentos”, finalizou Camilo Santana.

Hidrogênio verde

A Qair Brasil tem interesse em realizar a implantação de um parque de geração de energia eólica offshore que é uma planta de produção de Hidrogênio Verde no estado do Ceará. O Complexo Eólico Offshore Dragão do Mar, projeto desenvolvido para gerar energia elétrica para a planta de eletrólise, irá contemplar uma planta de geração eólica offshore com capacidade instalada de 1.216 GW, a ser localizada na plataforma continental da costa de Acaraú-Ceará. O projeto contemplará também o desenvolvimento de uma planta de eletrólise com capacidade de 2.240 MW, para produção de Hidrogênio Verde de aproximadamente 296 mil ton./ano, localizada no Hub de Hidrogênio Verde, no Complexo Industrial e Portuário do Pecém.

Com isso, a empresa multinacional com sede no Ceará está envolvida no projeto que, a partir de 2023, produzirá, armazenará, transportará e comercializará o hidrogênio verde. Com os objetivos de produzir hidrogênio verde regional de maneira massiva, e industrial para obter o melhor preço; desenvolver uma oferta de serviços adaptados para atender às necessidades de mobilidade pesada (caminhões – barcos – trens); desenvolver um projeto em consulta com autoridades eleitas, populações locais e atores industriais locais para garantir o sucesso ideal; promover um ciclo energético totalmente virtuoso: energia renovável / eletricidade e hidrogênio verde.

Deixe uma resposta