Empresa e UFMG analisam efeitos da #pandemia na saúde mental dos empreendedores

A empresa especialista em inovação Troposlab, em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFMG, está desenvolvendo um estudo sobre os efeitos da quarentena, do isolamento social e das demandas de trabalho durante a pandemia da COVID-19 na saúde mental dos empreendedores do Brasil. As organizações estão desde meados de 2020 acompanhando a repercussão da pesquisa com o propósito de avaliar todo o cenário e ajudar a amparar as pessoas afetadas. A partir de julho, terá início a segunda etapa com a coleta de dados. 

O estudo é realizado de maneira online e está aberto a todos os empreendedores brasileiros. Para participar é necessário responder um questionário. Os dados coletados serão analisados de forma coletiva, sem identificação dos respondentes. O colaborador será acompanhado ao longo do período de isolamento e receberá encaminhamentos necessários para acompanhamento profissional apropriado, além de um relatório com os principais resultados.

Nos últimos anos, a saúde mental de empreendedores tem sido um tema presente na mídia, nacional e internacional, entretanto, no ambiente científico existem poucos estudos que relacionam a saúde mental ao empreendedorismo. A pandemia alterou de maneira significativa a rotina e o ambiente de negócios, e com isso, as incertezas em decorrência desse período abalaram profundamente o estado mental dos brasileiros. 

Com atenção a isso, a Troposlab e a UFMG realizaram, em junho do ano passado, a primeira fase de um estudo pioneiro no Brasil sobre a saúde mental dos empreendedores em tempos de pandemia. Foram obtidas 653 respostas de quase todos os estados brasileiros. Entre os resultados, a pesquisa observou que 51,1% dos empreendedores tiveram a vida afetada pela pandemia, mas que se sentem bem a maior parte do tempo, enquanto 24,9% dos empreendedores afirmaram que foram muito afetados. A necessidade do acompanhamento e cuidados com a saúde mental e início do uso de medicamentos, como antidepressivos, ansiolíticos ou ambos nesse período, foi relatada por 15,6% dos entrevistados. 

“O levantamento desses dados é muito importante, pois a partir deles novas pesquisas sobre a saúde mental do empreendedor poderão ser geradas, o que abre portas para a discussão e sensibilização da importância do desenvolvimento saudável no ambiente de negócios”, afirma Marina Mendonça, pesquisadora, sócia e diretora de cultura e times da Troposlab.

Para participar da pesquisa, acesse o link.

Deixe uma resposta