Fortaleza lança campanha contra o calazar e distribuirá 90 mil coleiras repelentes em 35 bairros

Fortaleza sedia hoje (quinta-feira, 12.8) o lançamento da campanha nacional de encoleiramento dos cães para controle da Leishmaniose Visceral (LVC), conhecido popularmente como calazar. O evento contará com a participação de representantes do Ministério da Saúde, da Secretaria de Saúde do Estado (Sesa), do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), entre outras instituições. Durante o evento, será realizada aplicação de coleiras contra o inseto transmissor da LVC (flebótomos) em cães das regiões epidemiologicamente mais vulneráveis da Cidade.

As ações implementadas pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS) e pela Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covis), com resultados positivos durante os últimos oito anos, levaram Fortaleza a ser escolhida como sede para o lançamento da campanha nacional de encoleiramento de cães contra a LVC. Estão previstas, para a primeira etapa, a entrega de cerca de 90 mil coleiras.

A distribuição das coleiras será realizada por meio de busca ativa durante todo o segundo semestre de 2021, pelos agentes de endemias. A ação ocorrerá em 35 bairros com maior incidência de calazar, de acordo com a recomendação do Ministério da Saúde.

Leishmaniose Visceral (calazar)

A Leishmaniose é transmitida por picada de um flebótomo contaminado (conhecido como mosquito palha) e pode acometer cães e humanos. Alguns sintomas que podem levar o proprietário a desconfiar que o animal está doente são: crescimento exagerado das unhas, pêlos quebradiços, nódulos na pele, úlceras, febre, atrofia muscular, fraqueza, anorexia, falta de apetite, vômito, diarreia, lesões oculares e sangramentos.

O combate ao inseto vetor deve ser feito com aplicação de inseticida no ambiente e o uso de produtos repelentes no cão. Além disso, as pessoas devem evitar deixar os animais em ambientes úmidos e que acumulem material que possa facilitar a criação do mosquito.

Nos últimos oito anos, houve uma redução contínua e progressiva dos casos de LVC em humanos em Fortaleza, associada à redução dos casos em cães. A LVC pode causar danos graves à saúde e até levar ao óbito. Os testes realizados nas unidades de vigilância e nos boxes de zoonoses (UVZ), aa qualificação dos Agentes de Combate às Endemias (ACEs) e a conscientização da população tiveram um importante papel nessa redução, permitindo um melhor direcionamento das ações estratégicas para o alcance do controle.

Comparando os períodos compreendidos entre 2005-2012 e 2013-2020, a queda no número de casos humanos foi de 58%, demonstrando que as ações de controle do reservatório e do vetor executadas, de forma regular e contínua, podem garantir avanços e respostas mais efetivas ao combate à Leishmaniose.

Bairros contemplados com a distribuição de coleiras repelentes
Ancuri
Barra do Ceará
Barroso
Bela Vista
Benfica
Bom Jardim
Bom Sucesso
Coaçu
Conjunto Ceará I
Conjunto Ceará II
Cristo Redentor
Curió
Jardim América
Jardim das Oliveiras
Jardim Iracema
José Walter
Fátima
Granja Portugal
Manoel Sátiro
Messejana
Padre Andrade
Pan Americano
Parque Dois Irmãos
Parque Genibaú
Parque Presidente Vargas
Parque Santa Rosa
Parque São José
Paupina
Pici
Planalto Ayrton Senna
Praia de Iracema
Praia do Futuro I
Quintino Cunha
Rodolfo Teófilo
Siqueira

Deixe uma resposta