Fintech vai dar crédito mais em conta a clientes que aderirem às iniciativas ESG

De olho na agenda ESG (sigla em inglês para governança ambiental, social e corporativa), cada vez mais presente e valorizada pelo mercado e pela sociedade, a FinMatch, fintech que oferece crédito para o segmento de beleza e estética, criou um programa com iniciativas para fomentar o crédito sustentável e a governança dos negócios dos empreendedores do setor, por meio de ações sustentáveis e saudáveis para o planeta.

Como benefício, além de ajudar os empreendedores a melhorar a governança e adotar ações sustentáveis, a FinMatch concederá uma linha de crédito exclusiva com taxas de juros menores. Para os empreendedores que aderirem às iniciativas ESG, a taxa pode variar entre 3% a 6%. Normalmente, a fintech trabalha com taxas entre 6% a 10%, dependendo da análise de crédito do tomador.

Em relação ao crédito sustentável, a fintech criou algoritmos que analisam a fundo as condições financeiras do tomador do crédito. Diferentemente do mais comum no mercado, o objetivo não é levantar informações financeiras para aceitar ou não emprestar dinheiro ao empreendedor. Segundo o CEO da FinMatch, Plínio de Andrade, a ideia é mostrar ao cliente se um pedido de empréstimo está sendo solicitado de forma consciente.

“Vamos além do crédito. Ajudamos o cliente a ter uma melhor governança do seu negócio para atingir o equilíbrio financeiro, evitando o endividamento. Por isso, aqui entra a parte social do nosso programa ESG”, explica Andrade. O CEO ressalta que isso é benéfico para todos. “Se o dono de um salão de beleza ou um MEI contrai uma dívida que não vai conseguir pagar, há uma grande probabilidade de se tornarem inadimplentes e, assim, todos perdem”, explica o CEO da FinMatch, Plínio de Andrade.

Outra vertente da agenda ESG na FinMatch é incentivar que seus clientes adotem uma série de recomendações que ajudam a impactar positivamente aspectos sociais, ambientais e econômicos em todo o ecossistema que envolve o negócio como: coleta e destinação correta de resíduos, redução de desperdícios de água, energia e produtos em geral no estabelecimento, neutralização de emissão de gás carbônico (CO2), além do desenvolvimento pessoal e bem-estar emocional do próprio empreendedor e dos funcionários.

Essas iniciativas ESG serão oferecidas e gerenciadas por empresas e programas especializados parceiras da FinMatch. Na área ambiental, por exemplo, a ideia é incentivar e conceder condições exclusivas para salões e profissionais da beleza que optarem pelo descarte consciente e diminuição drástica do uso de plásticos e produtos nocivos à natureza.

Na esfera social, a fintech tem um programa chamado Giveback, que repassa 1% do valor de cada parcela mensal, paga em dia pelos clientes, para instituições beneficentes e de ajuda humanitária, como a instituição Médico Sem Fronteiras.

Os salões de beleza e estética poderão monitorar o aferimento das ações em andamento por um painel disponível na área de clientes da FinMatch.

Caso um estabelecimento não opte pela adoção ao programa, mas comprove, efetivamente, que está utilizando um número menor de embalagens plásticas, consumindo menos energia, promovendo a reciclagem dos resíduos gerados através do descarte correto e utilizando produtos químicos aderentes a produtos naturais ou veganos, sem origem animal ou que degradem o meio ambiente, ele também será contemplado por essa linha especial de crédito da FinMatch.

Os empreendedores podem acessar mais informações do programa ESG da fintech nesta página (www.finmatch.com.br/esg).

Atendimento a negativados

A FinMatch também atende a quem tem restrições de crédito. A tecnologia de análise de risco de crédito da fintech avalia a capacidade de pagamento do tomador e não apenas se ele está negativado ou não. “Nossa visão é que o empréstimo também pode ter a finalidade de ajudar as pessoas a regularizar sua situação financeira”, afirma Andrade.

FinMatch em números

Com pouco menos de um ano de operação e 67 clientes ativos, a fintech recebeu mais de 5 mil solicitações de crédito, que somam cerca de R$ 30 milhões em pedidos de empréstimo.

Segundo a fintech, 70% das solicitações de crédito feitas por seus clientes são para capital de giro. “Grande parte dos pagamentos nesse tipo de negócio é feito com cartão de crédito. Daí vem a necessidade dos empreendedores recorrerem ao crédito, para manterem a máquina funcionando”, diz Andrade.

Para este ano, a FinMatch pretende conceder R$ 7 milhões em empréstimos e faturar R$ 1,3 milhão. Até o momento, a fintech emprestou a quantia de R$ 150 mil.

Deixe uma resposta