Blockchain: entenda essa tecnologia

Artigo de Rodrigo Soeiro, fundador da Monnos (https://monnos.com), primeira Crypto Bank do Brasil e primeira rede social de investimentos em criptomoedas do mundo:

Apesar de ainda haver resistência quanto a utilização de criptomoedas, é inegável o avanço tecnológico que elas representam em nossa sociedade. Mais do que um movimento financeiro, a criptoeconomia vem gerando uma grande mudança cultural.

Um dos principais exponentes desse movimento é o blockchain, que funciona como uma rede de blocos encadeados que carregam conteúdos – algo como uma impressão digital, única e imutável. Em transações com criptomoedas, como o Bitcoin, por exemplo, o conteúdo do blokchain é a operação financeira em si. Mas, ele pode ser o registro de qualquer outro tipo de transação.

O blockchain possibilita validações de documentos por meios digitais, como contratos de serviços e de bens – como troca, venda e aquisição de imóveis, ações e carros, por exemplo. Tal tecnologia envolve grande arcabouço tecnológico e é reconhecida por sua segurança e transparência.

Há quem diga que o impacto cultural trazido pelo blockchain é tão grande quanto foi o gerado pela internet nos anos 90. Ele vem se demonstrando inviolável e eficaz em manter todos as transações registradas, com a impossibilidade de apagamento.

Por isso, podem estar com os dias contados sistemas financeiros tradicionais e instituições como tabelionatos e cartórios. Isso porque o bockchain simplifica a criação e o armazenamento de contratos inteligentes, facilitando o registro e a busca de informações, sem a necessidade de intermediários.

Para além do blockchain, a criptoeconomia vem modificando o mercado financeiro no Brasil e no mundo. Atualmente, centenas de bilhões de dólares são movimentados no setor, uma vez que as criptomoedas estão democratizando as possibilidades de ganhos financeiros.

Tanto que muitas pessoas estão saindo do mercado tradicional de investimentos e migrando para a criptoeconomia, ou se posicionando nos dois mercados ao mesmo tempo, visando redução de riscos e diversificação de portfólio.

E já existem plataformas de criptoeconomia que têm propostas voltadas para leigos, como é o caso da Monnos. Fundada em setembro de 2019, hoje ela possibilita que seus mais de 30 mil usuários comprem, vendam e façam pagamentos com criptomoedas. Trata-se de uma tendência global que deve se fortalecer nos próximos anos.

Deixe uma resposta