Serviços de saques e trocos em caixas de varejistas facilitam serviços bancários

Segundo o Banco Central, mais de 17 milhões de brasileiros sofrem com a escassez de caixas eletrônicos ou instituições que disponibilizem serviços que abrangem o saque, depósitos e pagamentos de contas. Há ainda um problema com a falta das notas de valores mais baixos, o que dificulta os trocos nos estabelecimentos. 

Em 2020, quando eclodiu os casos de Covid-19 pelo mundo, um serviço de transação instantânea trouxe mais acessibilidade para a população e expandiu o leque de opções para os serviços de transferências e pagamentos. “O Brasil vem enfrentando uma diminuição no número de caixas eletrônicos e agências bancárias, quando a Sled desenvolveu a solução de saque foi justamente para suprir a falta de pontos que conecta com os bancos, clientes e varejo”, revela Anderson Locatelli, CEO da Sled.

Para o executivo, essa nova modalidade adotada pelo Pix chega ao mercado para somar, porém a aderência total do serviço pode levar um certo tempo. “A mudança comportamental da sociedade pode levar anos, basta analisar a vinda e popularização de outros serviços de pagamentos, nenhum deles substitui o dinheiro”. 

Recentemente a fintech lançou uma solução que permite o saque de pequena quantia em caixas de supermercados, postos de gasolina e farmácias, além de ser pioneira na solução de troco digital, sem que o cliente precise autorizar ou cadastrar o serviço com o banco.

“O mercado também recebeu essa opção do Pix, mas é importante ressaltar que eles são apenas um meio de serviços bancários e não uma solução”, ressalta.

Qual a diferença entre eles?

O que difere um serviço do outro é a forma de uso. O Sled Saque exige somente o cartão da instituição financeira, sem que o cliente cadastre chaves ou códigos no banco. Tudo é feito diretamente com o cartão de débito, seja por inserção na máquina de cobrança ou aproximação, de forma simples e sem tomar muito tempo do consumidor. Já com o PIX Saque, o saque acontece por meio de leituras de QR Code do aplicativo do banco, ou seja, o cliente terá que usar o aparelho celular e conexão de internet para usufruir da modalidade, e isso pode impactar no tempo de espera na fila do caixa.

A solução de troco digital, criada pela Sled, em vez do operador de caixa devolver o valor em espécie, o cliente receberá a diferença diretamente no CPF. Essa quantia pode ser utilizada por meio da carteira digital, disponível no app Troco Simples ou na Wallet do varejista. 

No PIX Troco, a pessoa física (no ato da compra) paga um valor a mais no produto ou serviço, e recebe o valor excedente em dinheiro. O processo é semelhante ao do PIX Saque, o que difere o serviço é a realização de compra para usufruir da novidade.

O Sled saque já está disponível em diversos pontos pelo país. Acesse: https://www.sled.com.br/sled-saque

Deixe uma resposta