Melhores níveis de bem-estar reduzem impacto ambiental da criação de animais

Posted on Updated on

A contribuição da produção animal na emissão de gases do efeito estufa torna a atividade um dos principais vetores do aquecimento global. No Brasil, a situação se agrava com vastas áreas de floresta nativa sendo desmatadas tanto para a criação pecuária, quanto para a agricultura voltada para a produção de ração animal. Para alertar a população sobre os problemas do atual sistema de criação intensiva de porcos utilizado no Brasil, com baixos níveis de bem-estar animal, a Proteção Animal Mundial traz para Salvador (BA) uma atividade interativa de realidade virtual, na qual o público pode comparar a atual criação dos suínos com a situação ideal. A atividade acontece em diferentes locais da cidade, entre os dias 19 e 21 de agosto, durante a Semana do Clima da América Latina e Caribe 2019.

“O meio ambiente não pode sustentar os atuais níveis de produção de animais de fazenda. Precisamos de uma solução sustentável para as pessoas e para o planeta, que passe tanto pela redução no consumo de carne, quanto por mudanças no sistema de produção que tragam consequentemente maior bem-estar aos animais e sustentabilidade para a cadeia”, afirma o coordenador de Bem-Estar Animal da Proteção Animal Mundial, Daniel Cruz.

De acordo, com o último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), das Nações Unidas, a agricultura, a produção de alimentos e o desmatamento produzem cerca de 23% das emissões de gases de efeito estufa induzidas pelo homem. Já no Brasil, segundo o Observatório do Clima, o setor de agropecuária foi responsável por 22% das emissões de gases de efeito estufa em 2016.

“Aumentar o bem-estar dos animais nas cadeias de abastecimento também é essencial para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). É bom para os negócios, as pessoas, os animais e o planeta. Sistemas de bem-estar mais altos permitem melhor qualidade, carne mais segura com impacto ambiental reduzido e melhor segurança alimentar”, afirma Cruz, lembrando que sistemas com altos níveis bem-estar para a criação de suínos, o que também inclui mais espaço para se movimentar, contribuem para melhorar a qualidade do ar, diminuir as bactérias prejudiciais, melhorar as taxas de crescimento individual, o desempenho reprodutivo e a eficiência alimentar. 

Mude a Vida dos Porcos – Para alertar a população sobre as condições de criação de porcos no Brasil, a Proteção Animal Mundial traz para Salvador uma atividade interativa de realidade virtual. A ação, que acontece em diferentes locais da cidade, entre os dias 19 e 21 de agosto, durante a Semana do Clima da América Latina e Caribe 2019, permite que o público vivencie a atual situação dos suínos e conheça os padrões ideais de um sistema com melhores níveis de bem-estar.

A atividade é parte da campanha “Mude a vida dos porcos”, na qual a Proteção Animal Mundial, pede às redes de supermercados que adotem melhores práticas em relação às carnes que comercializam. Desde 2017, a campanha pede aos supermercados que: 

•          Substituam as gaiolas usadas para matrizes suínas por criação em grupo em ambiente com enriquecimento ambiental até 2028;

•          Disponibilizem materiais e condições que permitam que os animais expressem seu comportamento natural até 2028;

•          Eliminem mutilações dolorosas até 2028;

•          Eliminem gaiolas para matrizes suínas durante o parto e a amamentação até 2035.

“Os supermercados são responsáveis por garantir que seus fornecedores criem os animais com altos padrões de bem-estar. Por isso, pedimos que as principais redes varejistas implementem políticas de bem-estar animal em todas as suas redes de supermercados no Brasil e passem a exigir que seus fornecedores de carne suína criem os animais da forma correta”, finaliza Cruz.

Sobre a Proteção Animal Mundial (World Animal Protection)

A Proteção Animal Mundial move o mundo para proteger os animais por mais de 50 anos. A organização trabalha para melhorar o bem-estar dos animais e evitar seu sofrimento. As atividades da organização incluem trabalhar com empresas para garantir altos padrões de bem-estar para os animais sob seus cuidados; trabalhar com governos e outras partes interessadas para impedir que animais silvestres sejam cruelmente negociados, presos ou mortos; e salvar as vidas dos animais e os meios de subsistência das pessoas que dependem deles em situações de desastre. A organização influencia os tomadores de decisão a colocar os animais na agenda global e inspira as pessoas a mudarem a vida dos animais para melhor. Para mais informações acesse: www.protecaoanimalmundial.org.br.

Deixe uma resposta