E-commerce recua em fevereiro; itens de saúde têm aumento expressivo por possível influência do #coronavírus

Posted on Updated on

Resultado de imagem para e commerce

O medo do Coronavírus tem provocado impacto financeiro significativo: a queda expressiva nos níveis da Bolsa brasileira e a redução da projeção para o PIB deste ano são apenas alguns dos fatores divulgados recentemente. A epidemia global é apontada como uma das razões para a queda significativa do e-commerce durante o mês de fevereiro, mostra um levantamento do Compre&Confie, empresa de inteligência de mercado focada em e-commerce.

De acordo com as informações levantadas pela companhia, no período de 1 a 19 de fevereiro foram realizados 10,1 milhões de pedidos no varejo online, valor que representa queda de 7,7% em relação ao período anterior à divulgação da doença (de 04 a 22 de janeiro, de acordo com o levantamento).

Nos dias analisados de fevereiro, o faturamento do setor foi de R$ 4,1 bilhões, queda de 5,2% em relação ao mesmo período de janeiro. “O Coronavírus tem influenciado diferentes setores e, no e-commerce, o anúncio da doença colabora para traçar o panorama de queda nas vendas no período. Com consumidores mais cautelosos durante o mês, houve redução significativa em pedidos e faturamento”, destaca André Dias, diretor executivo do Compre&Confie.

Apesar da redução, o prazo de entrega praticamente não sofreu alteração durante o período analisado: passou de 8,9 dias em janeiro para 8,2 em fevereiro.

Enquanto isso, venda de produtos de saúde apresenta aumento significativo durante o mês

Por outro lado, a preocupação dos brasileiros com a saúde puxou para cima as vendas de itens desse setor. De acordo com o levantamento do Compre &Confie, Nebulizadores e Inaladores registraram aumento de 177,5% nas vendas em relação a janeiro e as vendas de Gel Antisséptico tiveram incremento de 165% no período.

“A venda dos itens relacionados à saúde mostra a preocupação dos brasileiros nesse período. A importância da prevenção e de manter a saúde em dia especialmente com as variações de temperatura pelas quais o Sudeste vem passando reforçam essa tendência”, destaca André.

Categorias que menos venderam durante o período

Os segmentos que apresentaram queda mais significativa em número de pedidos durante o mês de fevereiro foram: Câmeras, Filmadoras e Drones (redução de 42,3% em relação a janeiro), Papelaria (-30,5%) e Games (-30%). Outras categorias que apresentaram considerável queda foram: Eletrônicos (-19,4%), Suplementos e Vitaminas (-14,7%) e Brinquedos (-13,1%).

A categoria de Moda e Acessórios, carro-chefe de volume de vendas pela internet, apresentou queda de 10,9% no período. “Registramos uma queda menos representativa para itens que possuem maior influência da produção nacional. Já categorias que dependem de componentes da China e outros países como, por exemplo Eletrônicos, podem estar relacionadas com o receio em consumir em adquirir produtos de países com maior incidência de casos do vírus.”, afirma André Dias, diretor executivo do Compre&Confie.

Sobre o Compre&Confie:

O Compre&Confie é uma nova empresa da CLSS Participações, holding controladora da ClearSale e E-confy. A companhia monitora vendas reais de mais de 80% do varejo digital brasileiro e tem o objetivo de gerar a maior rede de confiança online do Brasil por meio de produtos para varejistas (B2B) e consumidores (B2C).

Para os consumidores, a companhia oferece um serviço 100% gratuito por meio do aplicativo Compre & Confie. Com ele, é possível monitorar o uso do CPF nas compras realizadas no mercado online e notificar compras indevidas. Também é possível ter acesso a pesquisas de satisfação para avaliar a experiência de compra em lojas online e, a partir das respostas, receber cupons e concorrer a prêmios semanais.

Com foco no varejo, indústria e mídia, o Compre&Confie oferece uma metodologia de captura de dados de vendas online em tempo real para que seja possível acompanhar as vendas no comércio eletrônico de maneira muito precisa. Além disso, os varejistas online são beneficiados com um selo de reputação, obtido pela avaliação dos consumidores online.

Deixe uma resposta