Ideologia e idiotia no Brasil

Artigo de Arnaldo Santos, jornalista, sociólogo e doutor em Ciências Políticas:

Questão de Ordem destaca 60 anos do Banco do Nordeste nesta quarta

O escritor russo Fiódor Dostoiévski, autor de substantiva produção literária traduzida para o mundo inteiro, dentre tantas outras obras, escreveu um romance cujo título é O IDIOTA! Narra a história de um homem bom e humanista que, por suas ações sempre enriquecidas pelo sentimento de grande compaixão, é considerado idiota. 

O personagem do livro não guarda qualquer relação, claro, com alguns daqueles que também se enquadram em um perfil de idiota, detentores de poder e mando atualmente no Brasil, que, ao contrário do homem bom e humanista, movido pela compaixão descrito por Dostoiévski, demostram desprezo pela vida das pessoas, e menos ainda parece com outros tantos dos seus apoiadores que invadem as ruas e as redes sociais, guiados pela “idiotia”, patologia diagnosticada pela Psiquiatria para designar os indivíduos de parcos recursos mentais. (Permitam-me o uso do eufemismo para assinalar o atraso mental de alguns).

 Todos sabemos que, no decurso dos tempos, o vocábulo idiota assumiu um sentido pejorativo, para caracterizar pessoa “ignorante, sem educação, tola, desprovida de bom senso”, como muitas que já nos acostumamos a ver em ação na realidade em curso, quando predominam a ira e a intolerância. Elas estão por toda parte, principalmente nas redes sociais, mentindo, agredindo, ameaçando ministros, e jornalistas, tentando destruir reputações, mediante vasta disseminação de fake news. 

Para não cometer o grave pecado da generalização, desde já, é preciso registrar que não são todas, mas algumas dessas pessoas, por padecerem da “idiotia”, doença mental que deve lhes causar profundo sofrimento, (imagino), tornaram-se incapazes, até, de cumprir com o mais elementar dos requisitos de civilidade, para convivência em uma sociedade democrática e plural, que é discutir ideias, ainda que divergindo, mas mantendo o primado da boa educação. 

Essa incapacidade que algumas delas demonstram, muito provavelmente, decorre do vazio que sentem por não possuírem qualquer ideia sobre nada, ou coisa nenhuma, e talvez por isso manifestem esse sentimento de revolta, e não aceitem que outras pessoas as tenham, e pensem diferente.

Aliás, sobre essa ausência de ideias que acomete e atormenta alguns desses, vale resgatar alguns fragmentos do conto Teoria do Medalhão, escrito em 1881, por Machado Assis, e publicado há tempos pela Gazeta de Notícias, ilustrativo do que foi referido no parágrafo acima. 

Resumidamente, no conto de Machado de Assis, o pai inicia uma conversa com o  filho logo após o jantar, em que este comemorava 21 anos, e sugere ao rapaz o ofício de “medalhão”. Entrando para “a carreira de medalhão, o filho deve se abster de ter ideias”. Diz o pai a seu filho que ele se “enquadra nessa carreira por não ter ideias próprias”. O genitor também fala dos benefícios da publicidade, sugerindo ao rapaz que, em vez de escrever um “[…] tratado científico sobre carneiros”, deve dá-lo em forma de jantar aos amigos e fazer a notícia circular. Também é sugerido ao rapaz que ele pode “entrar para a política, se ligar a um partido, desde que não adote a ideia de nenhum”. E continua: se entrar para a política, “é bom usar a tribuna para chamar atenção pública, e os discursos devem ser sobre algum assunto que incite o debate e discussões, mas sem que surjam novas ideias”. Escrito em 1881, nos dá a impressão de ter sido apenas há dois anos. 

É nessa realidade de intenso sofrimento causado por essa ausência de ideias, e com a consciência de suas incapacidades, além de múltiplos complexos de inferioridade, embora se jactando de qualidades e virtudes que não as possuem, que alguns poucos se deixam atormentar e perdem a compostura, até quando leem um simples artigo de jornal, contendo uma análise política factual dos negócios e das ações do governo, assim como do comportamento idiotizado do governante de plantão; (sua fala na última quinta feira no Maranhão, onde vomitou preconceito e homofobia, contra o povo maranhense, confirmam seu estado avançado de idiotia), portanto, algo corriqueiro e do conhecimento de todos; ainda assim, vão às redes sociais e vituperam, muita vez, até de forma anônima, que é a manifestação da idiotice. 

Tal comportamento é revelador de que não foram capazes de fazer as pazes com o passado que os ronda, e só a eles é dado a conhecer; e para agravar esse tormento, pela agressividade e a deselegância com que alguns reagem, deixam escapar que foram vencidos pelos demônios que carregam dentro si, e que fazem alimentar a intolerância, o ódio e o preconceito, resultado da aguda idiotice de que são acometidos, e por esta são conduzidos.

    A propósito, Nelson Rodrigues, cronista observador da vida como esta é, em seu estilo mordaz de analisar e traduzir em textos as mutações da sociedade brasileira, no meu sentir, sob a óptica da Sociologia política e do comportamento, ninguém o fez de modo tão real e peculiar, em uma de suas crônicas, intitulada Os Idiotas Confessos, descreve os idiotas e suas idiotices, em distintos graus e manifestações, desde os tempos em que o marido enganado, de tão ingênuo e idiota, era o último a saber.

A crônica do Jornalista e escritor recifense (1912-1980) põe em relevo o processo de idiotização vivenciado na realidade atual a que me refiro neste artigo, como se denota nesta citação: “[…] de repente, os idiotas descobriram que são em maior número. Sempre foram em maior número e não percebiam o óbvio ululante. E mais descobriram: – a vergonhosa inferioridade numérica dos “melhores”. E certo dia, um idiota resolveu testar o poder numérico: – trepou num caixote e fez um discurso. Logo se improvisou uma multidão. O orador teve a solidariedade fulminante dos outros idiotas. A multidão crescia como um pesadelo. Em quinze minutos, mugia, ali, uma massa de meio milhão”. Mais atual e verdadeiro impossível! Será que é preciso ainda dizer mais? 

Cabe a pergunta: que tempos são esses que estamos vivendo? Dizer que são apenas “estranhos”, como afirmou o ministro Marco Aurélio, já não os define, afinal mais estranha foi sua decisão de colocar em liberdade um traficante internacional de drogas, dos mais periculosos, condenado em segunda instância em dois outros processos, sob o argumento de que faltou o pedido de renovação de sua prisão pelo juízo competente…; mas esse é tema para outra reflexão. 

Examinando essa realidade ideologizada e idiotizada que vivenciamos, com nítido viés de pouco ou nenhum apreço pela democracia, nestas circunstâncias –  “um cabo e dois soldados” bastam para fechar o STF, opinião alimentada pelo negacionismo sustentado por um discurso autoritário, e uma ação onde a vida parece não ter valor, mas impera a reafirmação do “eu” – “eu mando e vocês obedecem, porra!” – o que nos fortalece é a certeza de sermos um povo enriquecido pelas diferenças culturais e de gênero, assim como pelo sincretismo religioso, e a nossa relativa laicidade, que deram origem a essa sociedade plural. 

O que nos encoraja a buscar iluminar essa escuridão, é que, além da boa índole de que somos possuidores, temos o privilégio de falar um  só idioma, em um Pais de alargadas dimensões geográficas e múltiplas etnias, mas que, pela língua portuguesa, nos tornamos iguais, para que possamos vencer as diferenças regionais, econômicas e sociais, e sermos um povo uno, em uma sociedade de abissais desigualdades. 

Sem muito esforço, a nós é dado notar que somos capazes de superar todos e quaisquer sentimentos menores, inoculados todos os dias por aqueles que, não compreendendo a diferença do conceito entre o que é público e o que é privado, consequência dessa idiotia, confundem o que significa estar no poder, com “o Estado sou eu” (Luís XIV), abolido desde junho do ano de 1.215,  pela lei do João-Sem-Terra, promulgada na Inglaterra. 

Se nos serve de algum consolo, volto a Nelson Rodrigues, que afirma na crônica já mencionada, que “[…] nem pense que a ‘invasão dos idiotas’ só ocorreu no Brasil”. E prossegue, “[…] se fosse apenas uma crise brasileira, cada um de nós podia resmungar: – ‘subdesenvolvimento’- e estaria encerrada a questão”. “Mas é uma realidade mundial”.

Deixe uma resposta