Pesquisa indica que diversidade de gênero nas empresas favorece inovação e melhor desempenho de funcionários

As empresas com maior número de mulheres em cargos executivos oferecem experiências mais positivas aos empregados em termos de carreira, equiparação salarial, desenvolvimento de habilidades, confiança na liderança e apoio gerencial. É o que afirma uma pesquisa realizada pela consultoria e corretora Willis Towers Watson em parceria com a Bloomberg (GEI).

Torna-se cada vez mais necessário estabelecer uma força de trabalho verdadeiramente diversificada em todos os níveis organizacionais. Segundo a líder de Employee Insights da Willis Towers Watson, Erika Graciotto, as empresas estão descobrindo que, ao apoiar e promover um ambiente de trabalho diverso, estão obtendo benefícios que vão além da ótica de imagem da empresa no mercado. “O argumento moral tem peso suficiente, mas também há o impacto financeiro, já que a diversidade demonstrou impactar positivamente nos níveis de engajamento e de experiência dos funcionários em geral, levando a empresa a ter um desempenho melhor”, afirma.

A pesquisa mostra que empresas que possuem mais mulheres entre os colaboradores mais bem remunerados, acabam tendo mais empregados que sentem pertencer a uma organização inovadora e líder de mercado. As companhias com pelo menos um quinto das mulheres entre seus executivos apresentam 12 pontos percentuais a mais do que as demais na percepção sobre crescimento de carreira (73% contra 61%), 10 pontos percentuais a mais no sentimento de remuneração justa (62% contra 52%), além de apresentarem melhores índices de intenção de permanecer na empresa (71% contra 61%).

As empresas com um líder em diversidade (CDO), ou executivo equivalente, têm uma vantagem de 11 pontos percentuais nas questões sobre inclusão (84% favorável contra 73% favorável) em comparação com empresas sem essa função. “Empresas com executivos focados na diversidade, e com planos de ação voltados à liderança para mulheres, são vistas pelos empregados como mais eficazes em proporcionar um ambiente de trabalho inclusivo, com maior clareza sobre propósito e objetivos”, afirma Erika.

Sobre a pesquisa

A análise vincula as práticas de diversidade com a opinião de 1,3 milhão de empregados entrevistados pela Willis Towers Watson, e 39 empresas participantes do Índice de Igualdade de Gênero Bloomberg 2020 (GEI). Este é o segundo ano em que a Willis Towers Watson conduz esta análise com referência cruzada de dados GEI. Os dados sobre o comportamento dos empregados são integrados aos da Bloomberg sobre programas e práticas relacionadas a gênero, que examinam as conexões entre políticas de diversidade de gênero e opinião dos empregados.

Deixe uma resposta