Estupro e assassinato no campus da Unifor: 20 anos de um crime hediondo

Completaram-se quinta-feira (19.11) 20 anos do assassinato da estudante Elian de Aguiar Mendes, 17 anos, em Fortaleza. O crime, pelo qual foi julgado e condenado o vigilante e ex-jogador de futebol Elionildo Sousa Oliveira, então com 26 anos de idade, ocorreu na Universidade de Fortaleza (Unifor), da Fundação Edson Queiroz – ligada ao maior grupo econômico do Estado, um dos maiores do País. Elian estava lá para prestar vestibular para o curso de Administração de Empresas na Universidade Federal do Ceará, em 19 de novembro de 2000. A vítima foi estuprada e estrangulada dentro de um banheiro feminino – hoje reformado e convertido em espaço masculino, sem nenhuma indicação do homicídio.

As provas do concurso foram aplicadas normalmente, num acerto entre Unifor, UFC e Polícia. A Folha de S. Paulo registrou o seguinte: “Apesar de Elian ter sido encontrada morta às 8h30, seu corpo só foi levado para o IML depois de a prova ser encerrada, às 12h. Segundo a fiscal do vestibular Erica Pontes, a orientação da coordenação da prova, logo que a estudante foi encontrada morta no banheiro, foi esconder o crime”.

Mais da Folha: “Apenas meia hora depois de a prova do vestibular ter sido iniciada, o corpo da vestibulanda foi encontrado no banheiro por uma funcionária responsável pela limpeza do local. Apesar disso, a UFC e a própria polícia só foram informadas do crime às 10h (…) ‘Como a prova já havia começado, não tinha sentido mandar suspender o vestibular’, afirmou o delegado da PF (Francisco Cavalcanti). ‘Ia dar na mesma.'”.

Desde abril de 2001, Elionildo cumpre pena de prisão de 24 anos. Ele tentou rever a condenação em pelo menos duas ocasiões, em 2006 e 2010, mas a Justiça negou os pedidos. Deve ser libertado, portanto dentro de quatro anos.

Deixe uma resposta