Prefeitura mais do que duplica sistema Bicicletar, em Fortaleza, com estações em todas as Regionais

A Prefeitura de Fortaleza mais do que duplicou, passando de 80 para 184, as estações do Programa Bicicletar, de bicicletas compartilhadas. Como resultado, atualmente, mais de 880 mil pessoas vivem a uma distância de até 500 metros de uma estação. A ação já realizou 3.407.584 viagens até a primeira semana de dezembro.

Desenvolvido pela Secretaria Municipal da Conservação e Serviços Públicos (SCSP), por meio do Plano de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito de Fortaleza (PAITT), o Bicicletar é uma das principais estratégias da Prefeitura na gestão da mobilidade urbana da Capital.

“O planejamento do sistema de bicicletas públicas compartilhadas de Fortaleza sempre foi pensado como uma alternativa de transporte, de deslocamento, uma aposta nesse modal. Tanto que, em paralelo, foram feitas infraestruturas cicloviárias e aumentada a segurança. Desde o início, a gente já percebeu um impacto muito grande, por meio das pesquisas realizadas com usuários e pedidos da população por expansão do sistema”, explica Taís Costa, arquiteta do PAITT.

O Bicicletar é vinculado ao Bilhete Único, o que possibilita que os usuários utilizem o sistema de maneira gratuita para viagens até 1 hora de segunda a sábado ou 1h e 30 minutos aos domingos e feriados. 94% dos cadastros ativos utilizam o serviço por meio do Bilhete Único. 

Melhorias no sistema

Novidades como câmeras de videomonitoramento e alarme sonoro em todas as estações, botões individuais para solicitar conserto de bicicletas, escolha de bicicleta a partir da modalidade Bilhete Único, monitoramento de bicicletas por GPS e central de atendimento gratuito por telefone também estão entre as melhorias.

estação do bicicletar
As estações passam por melhorias constantes

200 estações até o final de 2020

O projeto segue com expansões para outras áreas da Cidade. Com a alta demanda e o enfoque no desenvolvimento de práticas de mobilidade urbana sustentável, Fortaleza alcançará 200 estações até o final de 2020. Assim, segue o caminho para tornar-se o maior sistema de bicicletas compartilhadas do Brasil em número de estações por habitantes e o terceiro em números absolutos, atrás somente do Rio de Janeiro e São Paulo. Tudo com infraestruturas modernizadas e trazendo mais conforto, com estações maiores e oferecendo mais vagas para as bicicletas, dentre outras melhorias.

Graças ao projeto, a Capital está cada vez mais sustentável e amigável com seu meio ambiente, pois ele permitiu, até agora, a redução de 1.378,15 toneladas de CO2 que não foram lançados na natureza, devido a troca do uso de carros por bikes.

Mobilidade Urbana Sustentável em números

A Prefeitura de Fortaleza ampliou em cinco vezes a infraestrutura cicloviária disponível na Cidade, batendo recorde histórico na implantação de alternativas seguras de deslocamento aos ciclistas em todas as Regionais.

Hoje, a Capital cearense conta com um total de 347,2 km de percursos para as duas rodas, o que representa uma ampliação em cerca de 406% em comparação com os 68,6 km de malha cicloviária que havia no município antes da gestão do prefeito Roberto Cláudio. O ano de 2020 já é o período no qual houve maior ampliação da malha cicloviária, mesmo ainda não tendo sido concluído e apesar dos impactos causados pela Covid-19.

Infraestruturas cicloviárias mais próximas às pessoas

Importante resultado desse projeto é que, segundo o Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP Brasil), atualmente, Fortaleza é a capital brasileira onde as pessoas vivem mais próximas à infraestrutura cicloviária, com 49% dos habitantes morando a menos de 300 metros de alguma ciclovia, ciclofaixa, ciclorrota ou passeio compartilhado.

Em 2019, a capital cearense também já aparecia no topo da lista dentre as 20 maiores cidades brasileiras com este perfil, com 36% dos fortalezenses morando a menos de 300 metros de alguma infraestrutura cicloviária, ficando à frente de cidades como Belém (29%), Distrito Federal (27%), Recife (24%), Aracaju (21%), Salvador (20%), São Paulo (19%) e Rio de Janeiro (19%), dentre outras.

Deixe uma resposta