Crescimento de delivery também exige modernização de processos nas empresas

Com a restrição de circulação das pessoas, como medida de prevenção ao novo coronavírus, milhares de estabelecimentos comerciais reinventaram a maneira de atender aos clientes. Uma delas foi a modalidade delivery. O serviço não era nenhuma novidade, mas ganhou destaque por trazer segurança, conforto e agilidade na compra. Para se ter uma ideia da dimensão causada pelo delivery, pesquisa recente da Abrafarma (Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias) revelou que entre os meses de janeiro e junho de 2020, as vendas delivery em farmácias de todo o Brasil, registraram crescimento de aproximadamente 106% em relação ao mesmo período de 2019. Um grande salto que impulsionou o faturamento das farmácias e drogarias do país. 

Ilustração via Freepik  O diretor de marketing da startup MyPharma, Carlos Henrique Soccol, comenta que o crescimento de delivery surpreendeu até mesmo quem atuava neste tipo de serviço. “O que era esperado em termos de aumento de delivery para cinco anos, aconteceu em apenas um. Foi um verdadeiro boom”, introduz. Mas enquanto cresce a procura pelo delivery, lojistas precisam buscar ferramentas capazes de atender toda essa demanda de forma precisa e eficiente. Para isso, os comerciantes devem ficar atentos a dois pontos: aos tipos de ferramentas de operação delivery e a utilização correta do marketing em suas lojas.  “Para operacionalizar o delivery, é importante contratar um ERP (Enterprise Resource Planning), que é um sistema integrado de gestão. É ele que dará suporte para a organização das informações e melhor gerenciamento da empresa, com diminuição de tempo e custos”, explica o diretor de marketing da MyPharma, Carlos Henrique Soccol.  Em relação às ferramentas de marketing, implantar canais digitais de aquisição de clientes, como um website otimizado para ranquear no google é interessante. “Afinal, cerca de 96% de toda a demanda de delivery passa pelo Google. Outro ponto essencial é dominar as redes sociais para dar agilidade no atendimento e fomentar as vendas”, sugere. Mas apesar das tecnologias associadas ao delivery trazerem benefícios aos comerciantes, como gestão completa e canais de aquisição eficientes, é importante ficar atento a riscos. “Pode acontecer de os lojistas não conhecer toda a operação delivery e acabar não acompanhando e avaliando o andamento de todo o processo”, finaliza. Nesse sentido, prudência, inovação e constante integração com as redes sociais podem ser o segredo para aproveitar o boom do delivery de forma adequada.

Deixe uma resposta