Passos estratégicos para humanizar as relações de trabalho

Não importa sua área de atuação, lidar com pessoas requer experiência, estudos e responsabilidade e muita abertura , porém os métodos são desconhecidos por muita gente ainda no mercado. Os ecossistemas encontrados pelas principais consultorias para auxiliar as empresas vêm se transformando constantemente e miram especialmente em humanizar governanças. 

Trata-se de buscar uma liderança confiável e responsável, que busque iniciativas como o compromisso de aumentar o número de mulheres e negros nas empresa, por exemplo. Contar com reconhecimento institucional em pleno século 21 em prol de uma sociedade mais justa é o que muitas das empresas buscam hoje, como um selo. No entanto, essa busca por coerência vai muito além disso. Pensando em todos estes desafios, a Tribo Global, consultoria especializada em humanizar culturas, integrando propósito e resultados, selecionou cinco dicas sobre liderança humanizada no ambiente de trabalho:

1 – Segurança psicológica

Em uma pesquisa para descobrir qual era o segredo das equipes mais produtivas, o Google percebeu que a segurança psicológica era a característica mais marcante dos grupos altamente engajados. Então, para que a inovação e os resultados duradouros aconteçam, aliados ao bem-estar, é essencial que as empresas consigam proporcionar um ambiente saudável para seus colaboradores.

2 – Vulnerabilidade como aliada

Nessa mesma pesquisa, também perceberam que a capacidade de se arriscar e se colocar em posição de vulnerabilidade frente aos outros, impactava mais nos resultados do que a experiência profissional e formação acadêmica do colaborador ou colaboradora.

3 – Visualizar erros como chances de aprendizado

O erro é parte da natureza humana. Podemos observar em vários pontos de nossa história que foram necessários muitos erros até que uma grande ideia fosse concebida, então, que tal abrir mão da perfeição e dar mais espaço para o aprendizado? Assim adotando o que a pesquisadora e professora de Stanford, Carol Dweck, chama de mentalidade de crescimento ao invés da mentalidade fixa tão enraizada nos dias de hoje.

4 – Cultura de Experimentos

Está inseguro para fazer uma transformação muito grande, uma inovação muito arriscada? Que tal começar por pequenos experimentos em grupos de controle? A cultura se transforma a partir de intervenções assertivas que nos colocam no caminho de evoluí-la.

5 – Processos, Princípios e Práticas

Para que a cultura humanizada se sustente, é importante que a empresa tenha processos, princípios e práticas que incentivem e sustentem as quatro dicas anteriores, já que ideias novas precisam de espaços férteis para germinarem. 

Não existe uma fórmula, mas pode-se combinar algumas dessas dicas ou ainda customizar de acordo com a necessidade da sua empresa. O importante é garantir que além de intenção, você consiga traduzi-la em ações concretas e estruturais que reforçam a mensagem do que significa priorizar relações humanizadas no dia a dia de todas as pessoas que fazem parte da sua empresa.

Deixe uma resposta