Pandemia acelera transformação digital na gastronomia; até restaurantes tradicionais apostam na mudança

A pandemia atingiu em cheio o setor gastronômico. Mas ensinou muitas coisas a empresários e administradores, acelerando certas tendências de mercado, como a transformação digital.

Seja no atendimento aos clientes ou no gerenciamento do negócio, as tecnologias vieram para ajudar a melhorar os resultados, automatizando processos e gerando economia de tempo e dinheiro.

A mudança tem atingido até mesmo restaurantes mais tradicionais, como o Jardim de Napoli, fundado em 1949 pelo italiano Francisco Buonerba. 

Com 72 anos de mercado, há pouco mais de três anos o estabelecimento implementou tecnologias para gerenciamento do negócio, como conta Rubens Gois e Silva, gerente administrativo. “Primeiro foi preciso entender o que é um ERP, qual a sua função, tendo em mente que trabalhamos com metas e que poderíamos vislumbrar um horizonte em que colheríamos frutos a longo prazo”.

O ERP implementado foi o da ACOM Sistemas, que atua em diferentes frentes, mas, essencialmente, ajuda o empresário a saber qual a margem de lucro de cada produto, avaliando o nível de desperdício e possibilitando uma composição mais criteriosa do cardápio. Também permite que soluções e novas estratégias sejam adotadas mais rapidamente em termos de controle e planejamento.

“O sistema tem ajudado bastante, sobretudo neste período que estamos enfrentando. Analisar os números, evitar o pagamento de títulos em duplicidade, enfim, processos que nos fazem economizar ou não perder dinheiro, isso é fundamental. O sistema complementa a atividade empresarial com organização e centralização de dados. Sem dúvida auxilia na tomada de decisão. Ter informações rápidas resulta em economia de tempo de trabalho e em maior rentabilidade. Representa muito no nosso dia a dia”, explica Silva.

“As tecnologias de gestão auxiliam na automação, mas, principalmente, geram análises que permitem tomar decisões mais assertivas, para que os empreendimentos foquem em sua essência, que são seus pratos e em servir as pessoas”, explica Eduardo Ferreira, CCO da ACOM.

O gerente administrativo do Jardim de Napoli ressalta, ainda, que apostar em processos digitais não significa romper com a tradição. Localizado desde 1968 no bairro Higienópolis, o restaurante é uma típica cantina italiana e mantém o conceito original da casa com alguns pratos do tradicional cardápio, entre eles o famoso Polpettone à Parmegiana, carro-chefe do local, receita criada por Toninho Buonerba. “Conseguimos unir tradição e tecnologia. Com tempo e maturidade tiramos informações valiosas para fazer uma gestão de melhor qualidade, tanto na unidade da Rua Martinico Prado, como em lojas nos shopping centers Higienópolis, Market Place e JK Iguatemi, além do Giardino, uma rotisserie que vende produtos da cantina”, conta.

Segundo Rubens, em grande parte de 2020, o Jardim de Napoli trabalhou apenas com delivery. Sobre o que imagina para 2021, Rubens de Gois espera que, de fato, a vacina chegue para todos. “A pandemia, fundamentalmente, veio mostrar o valor do ser humano nas organizações, o quanto as pessoas são capazes de desenvolver novos talentos. Mostrou também que cada vez mais será necessário elevar o nível profissional, investir em tecnologia para um gerenciamento mais efetivo”, conclui.

Deixe uma resposta