10 estratégias logísticas para conviver e respeitar a greve nos Correios

Sindicato afirma que greve dos Correios tem adesão em todo o RS

O setor de e-commerce, que vinha em constante crescimento devido à quarentena, tem sofrido os impactos da greve dos Correios, que já dura uma semana. Segundo um levantamento feito pela Loja Integrada – plataforma de e-commerce-, oito em cada 10 pequenos e médios empresários dependem das entregas feitas pela estatal. 

As expectativas são de que a crise atinja grande parte desses lojistas, já que apenas 24% das empresas utilizam motoboys para entregas e 28% serviços de logística, segundo o mesmo estudo. 


Para suavizar os efeitos da greve, Fernando Sartori, especialista em logística e CEO da Uello (www.uello.com.br) – plataforma que oferece serviço de frete urbano expresso – dicas que vão desde alternativas de logística até relacionamento com o consumidor.

1-Avise os clientes sobre a greve e mudanças no prazo

A preocupação com o frete e o tempo de entrega de um produto está entre as maiores preocupações de quem compra em lojas virtuais. As pessoas querem saber quando o produto chegará, como chegará, como está o processo de entrega. Uma boa maneira de evitar prejuízos à marca é informar ao cliente sobre todos os estágios de entrega e esticar o prazo, caso necessário. 

2-Invista em agilidade no processo de entrega

O consumidor busca por experiências de compra cada vez mais rápidas e práticas. De acordo com pesquisas da Zendesk, 64% dos consumidores esperam um atendimento em tempo real independentemente do canal e nenhum deles quer repetir suas dúvidas ou problemas a cada vez que entrar em contato com uma loja online. Portanto, se seu cliente já realizou a compra e você não conseguirá enviar pelo serviço dos Correios, o ideal é providenciar uma alternativa de entrega em pouco tempo.

3-Atualize a política de troca e devolução durante a greve

De acordo com a ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), em recente estudo, 96% dos comércios eletrônicos ainda não fornecem uma experiência adequada aos clientes, entre eles logística reversa, o que gera vários obstáculos para a fidelização. Neste período é ainda mais importante se preocupar com a política de troca e facilitar este processo. 

4-Habilite alternativas de entregas

A Uello oferece uma infraestrutura tecnológica que inclui inteligência artificial para a definição das melhores rotas de entrega. Uma das opções para empreendedores que realizam mais de 20 entregas por dia é o modelo de entrega next day (no dia seguinte) ou same day (no mesmo dia). A startup garante uma boa experiência para lojistas e consumidores, uma vez que é possível acompanhar toda a entrega em tempo real e combinar o recebimento. A logtech já conta com mais de 2.500 motoristas parceiros cadastrados e realiza cerca de 5 mil entregas por dia na Grande SP e interior do estado. 

5-Compare preços de envios

Existem startups que estão ajudando os lojistas com ferramentas e calculadoras de fretes, como é o caso da Melhor Envio, uma plataforma de gestão de fretes que ajuda empreendedores a otimizarem tempo. Na prática, é possível inserir o tamanho do pacote, peso e destinatário. Em segundos, o resultado aparece com uma tabela com valores e diversos meios de envio, o que facilitará para o empreendedor a escolha do melhor caminho para as suas encomendas. Tudo isso sem precisar dos servidores das transportadoras, ou seja, mesmo que a demanda esteja alta e o sistema de alguma delas caia, as lojas integradas à plataforma continuarão com suas cotações funcionando normalmente.

6-Transforme sua loja em um marketplaces ou venda em um 

A startup OmniK oferece duas soluções que podem aumentar as possibilidades do empreendedor neste momento. A primeira é inserir sua loja em uma rede de Marketplace e com isso, ter seu produto escoado e entrega estruturada. A outra é transformar a sua loja em uma marketplace, fazendo com que o seu e-commerce esteja em uma rede de soluções para escalar o negócio. Uma vez parte do ecossistema, qualquer loja virtual está automaticamente conectada aos principais marketplaces do mercado e vice-versa.

7-Atente-se às novidades e a normalização

Seja uma fonte confiável nesse momento tão delicado. Isso mostrará o seu interesse em ajudar o consumidor que está buscando informações sobre a situação de greve. O momento exige não só garantir as entregas, mas aumentar a confiança na loja. É possível encontrar atualizações da situação da greve no site dos Correios. 

8-Garanta uma experiência pós-venda 

A empresa que não avalia ou recebe feedback de clientes não tem inteligência de dados para saber como atingir ou sensibilizar este usuário. Neste momento de instabilidade, a marca pode ser prejudicada por possíveis atrasos, por isso é importante evidenciar que a empresa está utilizando todos os meios possíveis para garantir a satisfação do cliente.

9- Gerencie riscos e fornecedores

Entenda que o cenário de vendas, de fornecedores e transportadores está instável neste momento. Prever problemas e pensar previamente em riscos operacionais – planejamento – é a melhor forma de se adaptar à situação. Tendo isso em mente, converse com seus fornecedores e tenha planos alternativos para casos de emergência. 

10-Habilite opção de retirada ou drive thru

Em alguns casos, o consumidor se interessa em retirar o produto no local e essa pode ser uma alternativa emergencial durante a greve da estatal. No caso das capitais, a entrega pode ser combinada em pontos como estações de metrô ou shoppings e praças. Caso a loja tenha estrutura física, o drive thru também pode ser uma opção para os consumidores que desejam retirar a mercadoria de carro. 

Deixe uma resposta