Código Swift e IBAN: conheça os mecanismos de segurança para transferências internacionais de dinheiro

O primeiro passo a ser dado quando se pretende enviar uma remessa de dinheiro para outro país é procurar uma instituição financeira que realize este tipo de serviço, seja um banco tradicional ou uma plataforma digital.

A partir daí, a pessoa começa a ser apresentada a algumas siglas diferentes, que causam enorme confusão na cabeça de quem está estreando nesse tipo de transação.

As duas principais siglas que devem ser de conhecimento de todo usuário que precisa enviar ou receber dinheiro do exterior são o código Swift ou BIC e o Iban, que serão detalhadas neste texto. 

Código Swift / BIC

Swift é a sigla para Society for Worldwilde Interbank Financial Telecommunication ou Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais, na tradução para o português.

Esta sociedade foi criada no começo da década de 70 por meio da união de 293 bancos de 15 países diferentes. Sua atividade teve início oficialmente em 1977, somando 10 milhões de trocas de mensagem logo no primeiro ano de funcionamento.

De lá para cá, a rede só cresceu. Um último levantamento realizado em 2014 dava conta do volume de 56 bilhões de mensagens trocadas entre os seus mais de 10 mil usuários ao redor do globo.

O sucesso se deve ao fato de que, por mais complexo que seja, o sistema confere muito mais segurança às transações financeiras internacionais.

Como funciona?

Trata-se de uma grande rede que interliga os bancos ao redor do mundo. Cada instituição financeira tem um código exclusivo, que deve ser informado no momento em que a transação de envio ou recebimento for realizada.

Também conhecido como BIC (Bank Information Code), o código Swift é composto entre oito e 11 caracteres, sendo os três últimos opcionais. Funciona assim:

  • Os três primeiros caracteres são letras e identificam a instituição financeira;
  • As duas próximas letras são o código do país;
  • O terceiro grupo de caracteres pode conter letra e número e identifica a região em que a operação está sendo realizada;
  • Por último vem o código da agência, que é opcional.

Para que possam usar esse serviço, os bancos precisam pagar a taxa Swift e esse valor é cobrado do cliente, deixando a operação ainda mais cara.

As informações sobre o Swift podem ser encontradas no contrato de abertura da conta, na seção de transferências internacionais do sistema on-line das agências bancárias ou no próprio site do código.

Iban

International Bank Acount, o Iban (em português, Número Internacional de Conta Bancária), é a identificação de contas para a realização de transferências internacionais. Ou seja, um padrão de identidade internacional registrado pela Swift.

Criado para padronizar as transações entre instituições bancárias dos países membros da União Europeia em 1997, atualmente está presente em 69 países, sendo possível utilizá-lo também para as operações realizadas em âmbito nacional.

No Brasil, o Iban só foi adotado em 2013, por determinação do Banco Central. E, diferente do que ocorre em outros países, é usado apenas para a realização de operações internacionais de contas mantidas aqui.

Como funciona?

O Iban é composto por 29 caracteres dispostos da seguinte maneira:

  • Um grupo de dois caracteres (letras e números) que identificam o país;
  • Dois dígitos verificadores de controle;
  • Oito caracteres numéricos que identificam a instituição financeira;
  • Cinco caracteres numéricos que correspondem à identificação da agência;
  • 10 números que correspondem ao número da conta bancária do cliente;
  • Um caractere alfanumérico correspondente ao tipo de conta;
  • E um caractere alfanumérico relacionado à identificação do titular da conta.

Para identificar o Iban, é preciso pesquisar pelo internet banking da instituição onde se possui a conta bancária ou utilizar o site Iban Generation para que o código seja gerado.

Deixe uma resposta