Pix pode reduzir lucros dos bancos em mais de R$ 1 bilhão, avalia consultoria

Os meios de pagamento instantâneo devem mudar forma como brasileiro realiza suas transações financeiras, trazendo consequências nunca vistas para bancos e fintechs, revela análise feita pela Bain & Company. Com a chegada do Pix e Open Banking, todas as etapas da cadeia de valor de pagamentos devem enfrentar mudanças radicais na criação de novos modelos de negócios, movendo lucros e estimulando a inovação.
“Com o início destes dois movimentos, a partir de 16 de novembro teremos um ambiente altamente interoperável, beneficiando os consumidores e fazendo com que empresas se tornem cada vez mais competitivas”, revela Antonio Cerqueiro, sócio da Bain & Company. 
Totalmente gratuito para transferências entre consumidores finais (PF) e com um custo 80 vezes menor para instituições financeiras (1 centavo por 10 transações), o Pix seguirá um cronograma de novidades de acordo com o Banco Central:

o 2020: Entrada manual de dados (com teclas)Código QR estático e dinâmicoEntrada manual de dados (modelo TED)Pagamentos instantâneos e agendadosAlias/chaves (3 opções)
o 2021:Pagamento sem contato (NFC)Código QR do beneficiário (P2P)
o 2022:Pedido de pagamento
o 2023:Pagamento através do documento de identificação
o A definir:Saques via PIX em bancos As funcionalidades previstas para o PIX e as características do mercado local, colocam o Brasil em situação análoga à de países como Índia, Suécia e Austrália em termos dos benefícios para os usuários na hora de realizar uma transação P2P e em posição intermediária, relativamente próxima à situação da Suécia, no que tange a transações C2B.  Em transações P2P, o pagamento instantâneo feito via Pix deve substituir boa parte das transferências feitas via TEDs/DOCs por PFs até 2024, trazendo grandes reduções para os bancos, com perdas de margem operacional de até R$1 bi.

Já em transações C2B a expectativa é que PIX substitua transações em espécie e que cause a desaceleração no crescimento histórico de transações feitas com cartão de débito. 

Com base na experiência em outros mercados, e as vantagens para o portador no uso atual de cartão de crédito, como parcelamentos, prazo de pagamento da fatura e programa de milhagem, a expectativa é que PIX tenha pouco impacto em transações feitas com este meio de pagamento no curto e médio prazo.

Deixe uma resposta