Renegociação cresce 18% e acelera o investimento em cobrança digital

Os índices inadimplência aumentaram durante a pandemia e a projeção para os próximos meses é de que a taxa cresça ainda mais. Na contrapartida, os índices de renegociação também cresceram mostrando que há solução para a crise. Nesse cenário, as empresas de cobrança têm de se adaptar tanto ao momento quanto ao novo perfil de consumidor em dívida. Uma das grandes apostas é a automatização e uso de inteligência artificial. 

Conforme o Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR) e o Provar-FIA (Fundação Instituto de Administração), a taxa e inadimplência de agosto está na casa dos 5,37%, (aproximadamente 3,2 milhões de brasileiros). Nos meses de junho a taxa registrada foi de 5,25%, em julho 5,31% e para setembro, a taxa esperada é 5,43%, seguida de 5,44% em outubro. 

Especialista em cobrança online, a empresa Negocie Online (www.negocieonline.com.br) sentiu esse impacto e viu as renegociações de acordos já realizados aumentarem 18% durante os meses da pandemia. Além do aumento do endividamento, a pandemia e a decorrente piora na economia e aumento do índice de desemprego, também mudaram o perfil do consumidor inadimplente brasileiro. 

“Temos vários tipos de dívidas e cada uma se comporta de maneira particular. Temos assinaturas de serviços não essenciais que podem ser canceladas com mais facilidade, assim como dívidas de crédito pessoal que o impacto para o devedor é menor. Mas temos contas de consumo, como água e luz, em que o consumidor até atrasa, mas é um serviço essencial. E, ainda, temos até dívidas de um financiamento de carro em que o devedor utiliza para seu lazer ou trabalho. E é diferente o processo de cobrança de dívidas recorrentes e dívidas pontuais. Ainda temos de levar em consideração todo o cenário atual em que as pessoas estão mais sensibilizadas”, explica Luis Ferras, CEO da Negocie Online. 

Ao contrário de outros países do mundo, o Brasil manteve a possibilidade de se cobrar dívidas durante o período de pandemia e com isso, as empresas de cobrança tiveram de se adaptar tanto ao período de quarentena, que fez com que seus funcionários passassem a trabalhar em home office, quanto ao modo de se fazer cobrança uma vez que o próprio consumidor está mais sensível e assustado. 

“O momento é de uma flexibilização maior de todos os lados onde o credor tem um papel importante para a negociação, mas também por parte do devedor a predisposição de buscar um caminho resolutivo é muito importante. O aumento de renegociações de acordos já realizados aumentou 18% na nossa carteira”, Luis Ferras 

Outro ponto importante que o cenário trouxe para empresas de cobrança foi a digitalização dos serviços. Empresas que estavam segurando a adoção de um modelo digital revisitaram a estratégia e partiram pra esta nova forma de se relacionar. Desde o início da quarentena, a Negocie Online viu clientes novos implementarem um processo digital com potencial de responder por 30% das novas negociações. 

De acordo com o executivo, a efetividade do canal digital aumentou em 32% mostrando que este canal passou a ser, para alguns clientes, o único canal de negociação. Principalmente na fase inicial da quarentena, onde o home office ainda estava se ajustando. Empresas que já haviam digitalizado o processo conseguiram responder mais rapidamente a este novo cenário. Empresas que já tinham 50% das negociações realizadas digitalmente saltaram para 67%. 

“Temos situações em que o atendimento humano é imprescindível e sempre terá um papel de protagonista, como por exemplo na cobrança B2B, que acena para um crescimento grande, e que o índice de automação e digitalização do processo é menor que o da cobrança B2C”, comenta Luis Ferras. 

A adoção de tecnologias para automação e digitalização da cobrança neste cenário mais difícil de recuperação de crédito passa a ser um instrumento importante para baratear o processo como um todo mas não deve ser o grande motivador. A experiência do cliente em um atendimento digital é possível a partir do uso intensivo de inteligência artificial que nos permita entender o comportamento do devedor e com isto direcionar as ações nas plataformas digitais e de chatbot. 

Na Negocie Online houve um aumento dos atendimentos pelos chatbot de 62% de março para abril deste ano, reforçando a dependência do atendimento digital. Já a retenção das chamadas no chatbot saltaram de fevereiro para abril de 74% para 88%, ou seja, apenas 12% das chamadas são derivadas para o atendimento humano. 

Deixe uma resposta