Ibovespa: operadora de turismo CVC tem ação com maior queda em outubro

Representado pela CVC, o setor de turismo teve a grande queda das ações em outubro. É o que aponta levantamento realizado pelo Yubb (https://yubb.com.br/), maior buscador de investimentos do país. No comparativo entre as 10 ações com pior desempenho durante o mês, a  CVC aparece em 1º lugar, com desvalorização de 23,81%.

Confira o ranking completo:

PosiçãoTickerEmpresaRentabilidade
1CVCB3CVC-23,81%
2LAME4Lojas Americanas-17,96%
3COGN3Cogna Educação-17,37%
4BTOW3B2W-16,54%
5IRBR3IRB Brasil-16,42%
6YDUQ3YDUQS-15,94%
7ECOR3EcoRodovias-15,79%
8UGPA3Grupo Ultra-14,74%
9BEEF3Minerva Foods-14,65%
10CIEL3Cielo-13,74%

“Apesar dos planos de retomada econômica, o setor de turismo será um dos últimos a sentir uma recuperação. Neste período de instabilidade econômica, há um comportamento da sociedade em cortar o consumo do que não é considerado essencial a nível de sobrevivência. Nesse cenário, os gastos com lazer acabam sendo cortados, o que inclui o turismo. E esse comportamento atinge as ações envolvidas neste mercado”, explica Bernardo Pascowitch, fundador do Yubb.

Já no ranking de maiores altas, a Siderúrgica Nacional aparece na primeira posição, com valorização de 25,09%. Confira:

PosiçãoTickerEmpresaRentabilidade
1CSNA3Siderúrgica Nacional25,09%
2WEGE3Weg16,74%
3SANB11Banco Santander14,99%
4MGLU3Magazine Luiza11,35%
5BRKM5Braskem9,86%
6SUZB3Suzano9,73%
7USIM5Usiminas8,67%
8MRVE3MRV7,64%
9RENT3Localiza7,20%
10GGBR4Gerdau5,77%

No geral, o Ibovespa fechou outubro com queda de 0,69%, mês no qual o índice chegou a subir 7,73%, batendo 101.917 pontos. O início da virada se deu no dia 23 (sexta-feira), data em que, após quatro altas consecutivas, o Ibovespa teve desvalorização de 0,65%.

“A sequência de boas sinalizações vindas do governo americano para a aprovação de um pacote trilionário de estímulos contra os impactos econômicos do coronavírus estimularam ações no mundo todo. Entretanto, na quinta-feira (29/10), Donald Trump disse que esses estímulos só vão sair depois das eleições presidenciais do país. Para piorar, a segunda onda do coronavírus, até então considerada mero temor, tornou-se realidade em países como a Itália, Alemanha e França, demolindo projeções mais otimistas de uma recuperação “em V” dessas economias. São fatores internacionais que nos afetaram diretamente, corrompendo o histórico de altas do Ibovespa”, conclui Bernardo.  

Deixe uma resposta