Parceria pretende investir até R$ 5 milhões em 10 startups brasileiras

Uma junção de expertises para transformar investimento em lucros. Essa é a ideia da parceria entre a mais representativa entidade das empresas de Tecnologia do País, a Federação Assespro, e a Bossa Nova Investimentos, micro Venture Capital que investe em startups com atuação em todo território nacional. Eles acabam de criar um comitê para selecionar startups para receber aportes financeiros, mentoria e apresentação ao mercado global.

“Com essa parceria conseguimos juntar o melhor de cada um de nós. Por atuarmos diretamente na área de TI, com mais de 3.500 empresas associadas, percebemos os negócios que tendem a dar certo, conhecemos todas as dificuldades enfrentadas no começo e as fases de crescimento das startups”, explica Italo Nogueira, presidente da Federação Assespro, entidade associativa com sede em Brasília e que acaba de completar 44 anos de atividades.

A princípio serão investidos R$ 5 milhões em, pelo menos, 10 novas empresas de base tecnológica. A união entre Assespro e Bossa Nova vêm sendo negociada desde o ano passado.

“A Bossa Nova tem expertise em investimento e a Assespro em ajudar empresas de tecnologia. Juntar essas experiências é meio caminho andado para garantia de bons negócios e de muito sucesso para as startups”, diz  João Kepler, diretor da Bossa Nova, que foi criada em 2015  e tem em seu portfólio mais do que 500 startups.

Outro fator bastante positivo para o sucesso dos investimentos será a capilaridade que a Assespro acumulou em anos de atividades, segundo Yves Nogueira, Diretor de Capital Empreendedor da Federação e um dos membros do Comitê de Investimentos do Assespro Investe. “Estamos presentes em todas as regiões do País e isso nos ajuda a identificar oportunidades de novas e promissoras empresas em vários estados”, comenta o executivo.

Além de Yves e Italo, também estão no board, Adriano Kryuzuy, que é presidente da Assespro Paraná e Robert Jansen, Diretor de relações internacionais da Federação Assespro e o diretor da Bossa Nova, João Kepler.

Entre os itens que constam na tese do comitê estão o foco nas startups B2B/ B2B2C, inovadoras, digitais e escaláveis. Elas também devem ter mais de um ano de atuação e com produtos e serviços já validados. Já o cheque para investimento em cada startup começa a partir de R$ 100 mil.

As startups interessadas devem ser inscrever pelo site da Bossa Nova Investimentos.

Deixe uma resposta