Vasco da Gama e Mercado Bitcoin lançam tokens de direitos de mecanismo de solidariedade

O Club de Regatas Vasco da Gama, time do Rio de Janeiro, e o MBDA, empresa do ecossistema Mercado Bitcoin, responsável pela tokenização de diversos ativos alternativos, anunciam o fechamento de uma parceria na estruturação de uma operação inédita no mercado brasileiro. As marcas assinaram documento da estruturação de uma operação que envolve a emissão de tokens, sendo cada token correspondente à uma parte dos direitos de mecanismo de solidariedade de 12 atletas formados nas divisões de base do Clube e que atualmente jogam em outras agremiações (veja a lista abaixo).

Tokens são representações digitais de ativos reais, que permitem que pessoas normais (e não apenas grandes investidores) tenham acesso a ativos antes disponíveis apenas para grandes fortunas. A operação de conversão de ativos em tokens é também conhecida como tokenizaçãoToken é um tipo de criptoativo. O nome do token que o Vasco e o MBDA lançarão será definido nos próximos dias, e essa escolha contará com a participação dos vascaínos.

Desde 2018, como parte das ações do Planejamento Estratégico implementado pela atual gestão do Vasco, com um forte empenho dos Departamentos Financeiro, Jurídico e de Futebol, e com a assessoria financeira da KPMG, o Vasco da Gama vem buscando possibilidades de utilização de criptoativos para gerar novas receitas e/ou recursos financeiros. No início deste ano, o Clube e o MBDA iniciaram as tratativas e evoluíram para o presente acordo.

O mercado de ativos digitais está avançando significativamente nos últimos anos no Brasil e no mundo. É crescente o número de clubes de futebol que já emitiram criptoativos com o objetivo de propiciar a seus torcedores mais participação nas suas atividades. Mas esta operação vai além: oferece aos torcedores e ao público em geral, a possibilidade de contribuir com o Clube e também obter retornos financeiros decorrentes da performance e transações de compra e venda destes 12 jogadores.

O Vasco e o MBDA estão tratando este assunto com o maior cuidado e diligência possível. Para chegar até este modelo, foram muitas conversas do ponto de vista jurídico, financeiro e desportivo para avaliação da viabilidade e dos critérios de modelagem para cálculo dos valores potenciais relativos ao mecanismo de solidariedade. Além de contar com a vasta experiência do MBDA, foram obtidos pareceres jurídicos de renomados advogados especialistas em assuntos relacionados ao futebol, ativos digitais e regulamentação de valores mobiliários, bem como foram realizadas discussões com reguladores, incluindo consulta formal à Comissão de Valores Mobiliários (“CVM”) para confirmar o entendimento de que o token não se caracteriza como valor mobiliário, obtendo resposta positiva através do Ofício número 15/2020/CVM/SRE de 2 de outubro de 2020 – deixando, assim, as partes confortáveis para o lançamento desta iniciativa. A expectativa é de que até o final de 2020 os tokens criados pelo Clube e pelo MBDA estejam disponíveis para negociação na plataforma do Mercado Bitcoin.  

Recursos

Com a assinatura do contrato, o Clube recebeu do MBDA, nesta quinta, R$ 10 milhões pela pré-compra de 20% dos tokens que serão criados. Acreditando na viabilidade e atratividade dos tokens, o MBDA fez esse investimento e assume os riscos de demanda e flutuação de preços para essa parcela dos tokens até a data de emissão. O acordo estabelece ainda que o Mercado Bitcoin estampará sua marca na camisa do Vasco por um determinado número de jogos. Ao longo das próximas semanas, o Clube e o MBDA realizarão em conjunto uma série de ações para detalhar esta operação financeira e, principalmente, explicar aos torcedores vascaínos e adeptos deste mercado como investir nesta oportunidade única. Abaixo destacamos e antecipamos alguns destes pontos:

Deixe uma resposta