Fortaleza tem queda de 3,72 pontos percentuais na participação do PIB do Ceará entre 2002 e 2018

Fortaleza permanece como detentora da maior parcela do Produto Interno Bruto (PIB) do Ceará, com 42,99% (R$ 28,71 bilhões) do PIB Estadual (R$ 155,90 bilhões). Mas, nos últimos 16 anos perdeu participação, pois em 2002 o PIB da capital era equivalente a 46,71% (R$ 13,40 bilhões) do total de riquezas do Estado. Na comparação, Fortaleza perdeu 3,72 pontos percentuais de 2002 a 2018. Mas o resultado de 2018, se comparado com 2017, quando a participação era de 41,64% (R$ 61,59 bilhões), revela que houve ganho em relação ao montante do PIB cearense.

A constatação da perda na participação do PIB Fortaleza em relação ao Estado – o que caracteriza uma desconcentração da renda gerada no estado entre seus municípios – está no trabalho Produtor Interno Bruto Municipal (Nº 04 – Dezembro/2020) – Análise dos PIB dos Municípios Cearenses 2002, 2010, 2017, 2018. O estudo foi divulgado, simultaneamente na manhã de hoje (16), pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece) e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e mostra, detalhadamente, o PIB – inclusive per capita – de cada um dos 184 municípios cearenses.

Os dez municípios com maior participação no PIB do Ceará, em 2018, foram Fortaleza, Maracanaú, Caucaia, Juazeiro do Norte, Sobral, São Gonçalo do Amarante, Eusébio, Aquiraz, Horizonte e Itapipoca. Dentre esses, sete pertencem a Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), 01 a região do Cariri; 01 a região de planejamento Sertão de Sobral e 01 a região Litoral Oeste/Vale do Curu. Maracanaú apresentou um aumento em sua participação no PIB estadual, passando de 5,82%, em 2002, para 6,71%, em 2018.

Os municípios de São Gonçalo do Amarante e Caucaia registraram ganhos de participação no PIB do Ceará durante o período de análise, passando de 0,26% e 2,91%, em 2002, para 2,71% e 3,26% em 2018, respectivamente. Os ganhos de participação desses municípios decorreram, em grande parte, do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP), situado entre os dois municípios, que nos anos recentes vem atraindo cada vez mais novas indústrias, em especial a Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), instalada em São Gonçalo do Amarante.

Analisando, ainda, os municípios com maior participação no PIB estadual foi possível constatar que Sobral e Juazeiro do Norte trocaram de posição entre os anos de 2017 e 2018. Juazeiro do Norte, em 2018, assumiu a quarta posição, com um PIB de R$ 4,82 bilhões e participação de 3,09%, enquanto Sobral passou a ocupar a quinta posição, com um PIB de R$ 4,77 bilhões e participação de 3,06%. Em relação aos municípios com menor participação no PIB estadual em 2018, destaca-se: Granjeiro (0,03%), Pacujá (0,03%), Altaneira (0,03%), Ererê (0,03%), Senador Sá (0,03%), Umari (0,03%), Antonina do Norte (0,03%) e Arneiroz (0,03%).

PER CAPITA

De acordo com o trabalho, que tem como autores os analistas de Políticas Públicas Daniel Suliano; Alexsandre Cavalcante; Cleyber Medeiros; Nicolino Trompieri; Paulo Pontes e Witalo Paiva e os assessores Técnicos Ana Cristina Lima Maia e Rogério Soares, os dez municípios cearenses que apresentaram maior PIB per capita em 2018, foram: São Gonçalo do Amarante (R$87.086,00), Eusébio (R$46.830,00), Maracanaú (R$46.241,00), Horizonte (R$25.783,00), Fortaleza (R$25.357,00), Aquiraz (R$24.630,00), Penaforte (R$23.504,00), Sobral (R$23.105,00), Quixeré (R$19.155,00) e Pereiro (R$18.932,00).

Eles ressaltam o avanço no ranking do município de São Gonçalo do Amarante, que saltou da 65ª posição em 2002 para a 1ª posição em 2018; Penaforte que em 2002 ocupava a 128ª posição, passando para a 7ª posição em 2018 e Pereiro, que em 2002 ocupava a 99ª posição, passando para a 10ª posição em 2018. O crescimento econômico observado no município de São Gonçalo do Amarante está relacionado com o Complexo Industrial do Porto do Pecém (CIPP). Já no caso de Pereiro, o Valor Adicionado Bruto (VAB) do município tem sido impulsionado pelo segmento de telecomunicações.

Dos dez municípios com maior PIB per capita em 2018, seis deles pertencem a região de planejamento da Grande Fortaleza (São Gonçalo do Amarante, Eusébio, Maracanaú, Horizonte, Fortaleza e Aquiraz). Na análise dos municípios com menores PIB per capita, os dez municípios são: Pires Ferreira (R$5.352,00), Tejuçuoca(R$5.555,00), Caridade (R$5.631,00), Catarina (R$5.797,00), Itatira (R$5.888,00), Choró (R$5.914,00), Poranga (R$6.104,00), Morrinhos (R$6.198,00), Chaval (R$6.202,00) e Coreaú (R$6.234,00)

ATIVIDADES ECONÔMICAS

Das as grandes atividades econômicas do PIB, o setor agropecuário cearense, em 2018, em termos de Valor Adicionado Bruto (VAB) teve o município de Beberibe com maior participação, embora menor do que em 2017. Quando se analisa o setor agropecuário na composição da economia dos municípios cearenses, o município de Redenção foi o que apresentou a maior participação da agropecuária na economia, com valor de 46,34%. No tocante aos principais municípios para a indústria do Ceará, Fortaleza (32,24%), Maracanaú (13,65%) e São Gonçalo do Amarante (9,89%) se mantiveram, nesta ordem, com as maiores participações e como os três principais municípios para a manufatura estadual, mantendo a configuração de 2017.

Ao analisar os municípios mais industrializados no Ceará, o documento chama atenção para Penaforte. Em 2018, o município se posicionou como o segundo mais industrializado do Ceará, com a participação da indústria chegando a 52,79%, com uma alta expressiva de 47,42 ponto percentual (p.p.) em apenas um ano. “Quando se observa o VAB dos serviços do Estado nos municípios na comparação dos anos de 2002 e 2018, Fortaleza manteve a primeira colocação no ranking, não obstante a perda de participação 8,45 pontos percentuais (63,89%) contra 55,45%.

Em 2018, foram percebidas algumas mudanças na participação dos serviços. Um total de quatro municípios passou a registrar participação da atividade no VAB acima dos 60%: Pereiro (70,30%); Fortaleza (70,06%); Juazeiro do Norte (68,58%) e Jijoca de Jericoacoara (67,31%). Para o VAB da atividade de administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social observa-se que a maior participação no total do Ceará, em 2018, ainda é Fortaleza, com 28,30%. Naquele ano, Baixio passou a ocupar a primeira colocação no ranking, cuja participação da administração pública no VAB municipal foi de 77,95%, seguido por Catarina (70,20%), Graça (67,73%), Umari (64,85%), Alcântaras (64,24%) e Choró (63,98%).

Deixe uma resposta