Empresa de pecuária avança com novas tecnologias e cria matriz ainda mais idêntica à carne

Primeira foodtech da América Latina a desenvolver e produzir carne à base de plantas com o mesmo gosto, textura e suculência da carne animal, a Fazenda Futuro sempre acreditou que poderia ir além. Levando a máxima “não sabendo que era impossível, foi lá e fez” a sério, criou um hambúrguer ainda melhor e mais próximo ao animal, tornando obsoleto sua versão anterior. Chamado de 2030, a nova matriz leva esse nome porque traz em si as mudanças que o mundo precisa e que estavam previstas para 2030, dentro da agenda dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU*. Entre elas, estão o consumo e produção responsáveis e a preservação dos ecossistemas terrestres. O problema é que não dava pra esperar todo esse tempo, “Acreditamos que mudanças em relação ao consumo de carne animal são extremamente necessárias e urgentes, foi por isso que criamos a Fazenda Futuro”, comenta Marcos Leta, fundador da marca.

Com sabor e textura ainda mais similares à de origem animal, a nova matriz possui mais saudabilidade que suas versões anteriores, além de embalagem também mais sustentável. Seu novo mix de ingredientes leva agora óleo de canola com gordura de coco, agregando mais saudabilidade, além de usar uma tecnologia que mantém a gordura dentro do próprio hambúrguer, tornando-o mais suculento e com quase nada residual na panela. Para o desenvolvimento do novo produto, a empresa utilizou também extratos naturais para garantir um sabor mais leve. Já a embalagem tem tecnologia americana Eco-one, feita com compostos orgânicos, se biodegradando totalmente entre 2 a 5 anos.

O Eco-One é formado por compostos orgânicos que, quando adicionados na cadeia do polímero do plástico, atraem micro-organismos, ao serem colocados em um ambiente microbiano ativo, como nos lixões e aterros sanitários, onde os fungos e bactérias formarão colônias de decomposição, promovendo a biodegradação deste material. Em pouco tempo esses plásticos se transformarão em húmus e CH4.

“Como foodtech, estamos sempre nos reinventando e procurando melhorar em termos de sabor, sustentabilidade e saudabilidade. Sabemos como esses pilares são importantes para o nosso público, assim como para nós. O Futuro Burger 2030 chega para marcar uma nova era na empresa e no mercado de plant-based, com uma nova tecnologia que nos permitirá atualizar todos os nossos produtos”, explica Marcos.

Saudabilidade

Sempre buscando melhorar seus produtos, a Fazenda Futuro criou uma nova fórmula para o Futuro Burger 2030, com ingredientes naturais, com soja não-transgênica, ervilha não-transgênica, beterraba (para dar a cor vermelha) e óleo de coco e canola em sua composição. O teor de gordura, assim, foi diminuído para apenas 6,5mg por porção de 80g, e seu teor de sódio agora também é o menor da categoria no mundo – 178 mg por porção. Em relação à proteína, são 11g por porção.

A qualidade dos ingredientes e a preocupação em serem os mais naturais possíveis, segue a mesma, por isso são todos não transgênicos, sem glúten, 0% de colesterol e o mais impressionante, 0% gordura trans.

100% sustentável 

Seguindo seu propósito de impactar minimamente o meio ambiente, o Futuro Burger 2030 chega às gôndolas em uma embalagem 100% sustentável feita com tecnologia americana Eco-one. 

O Eco-One é formado por compostos orgânicos que, quando adicionados na cadeia do polímero do plástico, atraem micro-organismos, ao serem colocados em um ambiente microbiano ativo, como nos lixões e aterros sanitários, onde os fungos e bactérias formarão colônias de decomposição, promovendo a biodegradação deste material. Em pouco tempo esses plásticos se transformarão em húmus e CH4.

A nova embalagem substituirá, a longo prazo, a antiga que já possuía certificado da EuReciclo, o que garante a compensação de 100% das embalagens produzidas pela Fazenda Futuro através de logística reversa.

*A Agenda 2030 e os ODS afirmam que para pôr o mundo em um caminho sustentável é necessário tomar medidas transformadoras. Os ODS constituem uma lista de tarefas para todas as pessoas, em todas as partes, a serem cumpridas até 2030. Se cumprirmos suas metas, seremos a primeira geração a erradicar a pobreza extrema e iremos poupar as gerações futuras dos piores efeitos adversos da mudança do clima.

Investimentos e Aportes

Desde o seu lançamento, em 2019, a Fazenda Futuro já contou com dois aportes de investimentos que têm somado para torná-la um player global na produção de carne plant-based, acelerar o desenvolvimento e inovação em novos produtos e expandir as exportações. A primeira captação externa foi de 8,5 milhões de dólares e a segunda 22,5 milhões de dólares, totalizando 31 milhões de dólares, elevando o valor de mercado para 715 milhões de reais. Essa última rodada foi liderada pelo BTG Pactual, Turim MFO, ENFINI Investments (Grupo PWR Capital) e os investidores da primeira rodada monashees e Go4it Capital.

Deixe uma resposta