Tarifas bancárias: pare de jogar dinheiro fora

Artigo de Conrado Navarro, sócio e especialista em finanças pessoais na fintech Grão:

Resultado de imagem para Conrado Navarro grão

Os brasileiros pagaram em 2019 R$ 29 bilhões em tarifas, isso só considerando os cinco maiores bancos brasileiros, número que deve ter aumentado em 2020. O valor veio do balanço divulgado por estas instituições.

O crescimento anual do faturamento com tarifas já foi de 10%, caindo para 5% em 2019. Ainda assim, é um número expressivo de pessoas pagando muita tarifa. Será que você está nesta lista? Confira seu extrato bancário e a fatura do cartão, porque é provável que sim.

Diante da oferta cada vez maior e mais interessante de fintechs e contas digitais cheias de serviços, produtos de investimento interessante e benefícios, faz sentido pagar por pacotes de tarifas nos bancos tradicionais?

Com a possibilidade de manter uma conta em banco grande apenas com o pacote básico, conforme resolução 3.919/2010, faz sentido não prestar atenção nisso e pagar tanto por serviços que você não usa? Para se ter uma ideia, a média de tarifas pagas no mês por cliente está acima de R$ 35 reais. Em um ano, são mais de R$ 400 reais em tarifas.

É hora de experimentar uma fintech!

Talvez você ainda não tenha tido a oportunidade de baixar e abrir sua conta digital em uma fintech, mas este será um passo inevitável em muito pouco tempo. Com cada vez mais adeptos e serviços de qualidade, as empresas dos setores financeiros que usam tecnologia evoluem muito rapidamente.

O melhor é que, a maioria destas novas empresas oferece seus serviços de forma gratuita e/ou com custos muito mais baixos que seus concorrentes – que são maiores e já estabelecidos. Tudo porque possuem estrutura de custos mais enxuta e usam muito mais tecnologia.

Além de optar por uma fintech, assegure-se de que você faça a mudança necessária na sua conta tradicional do banco se ainda quiser mantê-la. Ou seja, procure seu gerente e exija a adequação ao pacote gratuito de serviços essenciais, que inclui:

  • Cartão de débito;
  • Até quatro saques por mês;
  • Acesso a extrato, consultas e contas pela Internet;
  • Compensação de cheques;
  • Duas transferências entre contas de um mesmo banco;
  • Até dez folhas de cheque por mês;

Gradativamente, passe seu fluxo de receitas e pagamentos para uma fintech com conta digital e com isso, diminua o uso do banco tradicional a fim de evitar pagamentos desnecessários de tarifas.

Assim, logo você vai ser capaz de manter um pacote simplificado e que atenda suas necessidades no “bancão” ao mesmo tempo que se beneficia de melhores serviços e custo zero (ou bem menor) em uma fintech.

Afinal de contas, planejamento financeiro se faz com melhores escolhas e, principalmente, com o hábito de questionar com frequência velhos costumes. Você ainda vai ter uma conta digital fora do mundo tradicional dos grandes bancos, pode apostar.

Deixe uma resposta