BiomaPhos rende R$ 105 milhões em 2020 com aumento de produtividade de soja e milho

Desde que foi lançado, em agosto de 2019, o primeiro inoculante desenvolvido com tecnologia nacional para absorção de fósforo pelas culturas deverá aumentar a fertilidade de mais de três milhões de hectares de solos brasileiros até a safra 2021/2022. A projeção é da empresa Bioma, pertencente ao Grupo Simbiose Agro, parceira da Embrapa no desenvolvimento e comercialização do produto, e se refere ao tratamento de lavouras de milho e soja em todo o País com o BiomaPhos.

“Na safra 2019/2020, quando foi lançado, a área tratada ultrapassou 350 mil hectares. Os resultados foram tão satisfatórios que, na safra 2020/2021, 1,49 milhão de hectares de milho e soja receberam o BiomaPhos. Nossa previsão de vendas do inoculante para a próxima safra é ultrapassar os três milhões de hectares”, revela Artur Soares, gerente de Pesquisa e Desenvolvimento do Grupo Simbiose Agro.

De 231 áreas de soja que receberam o BiomaPhos e foram avaliadas pela Embrapa e pela Bioma na última safra, a média de produtividade saltou de 67,2 sacas por hectare para 71,6 sacas, o que significa um incremento de 4,4 sacas por hectare proporcionado pelo uso do produto. “Se considerarmos a cotação da saca de soja a R$ 176,00 – dado da última semana de abril – e descontarmos o custo do produto por hectare (R$ 70, em média), o produtor alcançou um ganho médio de R$ 704,40 por hectare usando o BiomaPhos”, avalia o gerente. Segundo ele, as avaliações foram feitas na cultura da soja na última safra de verão, e os dados referentes à segunda safra do milho estarão prontos em meados de agosto. “Apenas para se ter uma ideia, a média obtida no último ano no milho foi de 12 sacas a mais por hectare”, reforça (veja depoimentos no quadro abaixo).

Christiane Paiva, pesquisadora da área de Microbiologia do Solo da Embrapa Milho e Sorgo (MG), responsável pela pesquisa que chegou ao produto comercial, comemora os resultados. Segundo ela, os ganhos de produtividade estão sendo comprovados também em outras culturas, como cana-de-açúcar, feijão, arroz, sorgo, braquiária e no café. “Apesar de o produto estar disponível no mercado há pouco mais de um ano, a expansão já sinaliza a possibilidade de contribuir efetivamente para a redução da excessiva dependência brasileira de fertilizantes importados”, afirma a pesquisadora. Segundo ela, em algumas culturas, ainda em fase de testes, como batata e amendoim, os ganhos têm surpreendido os produtores, chegando a 30% de incrementos na produtividade.

“Esses resultados ocorreram em lavouras que usualmente não utilizavam inoculantes biológicos para aumento da produtividade e melhor aproveitamento de nutrientes, o que torna o BiomaPhos um produto revolucionário em termos de utilização de ativos biológicos na agricultura”, interpreta Christiane Paiva. “Em culturas como café, sorgo, algodão, cana-de-açúcar, amendoim, citros, manga, tomate e batata, em que não havia tradição de uso de inoculantes, a tecnologia tem proporcionado ganhos reais após ter sido amplamente testada e avaliada positivamente pelos próprios produtores”, complementa. Ela adianta que a Embrapa e parceiros públicos também estão firmando parcerias para avaliação do inoculante em banana, trigo, pastagens, hortaliças, hortifrútis, milho para silagem e milho-verde, além de análises sobre a eficiência do produto no sistema ILPF.

R$ 105 milhões de retorno

O impacto econômico proporcionado pelo inoculante em 2020 em todo o País chegou a R$ 105.134.993,00 valor estimado pela Embrapa com metodologia que avalia o impacto das suas tecnologias e publicado em seu Balanço Social. Esse montante mostra o lucro revertido para o Brasil ao diminuir a importação de fertilizantes sintéticos minerais, substituindo-os pelo BiomaPhos. Para chegar a esse valor, pesquisadores da Empresa elaboram análises de um componente quantitativo, que é a avaliação econômica propriamente dita, e de um componente qualitativo referente a entrevistas com os adotantes da solução tecnológica para captar os impactos socioambientais e, por fim, entrevistas com os desenvolvedores do ativo para captar o Impacto de Desenvolvimento Institucional.

Segundo Rubens Augusto de Miranda, pesquisador da Embrapa da área de Economia, a avaliação econômica é feita a partir de estimativa da área de adoção da tecnologia, calculada pelo número de vendas do ativo obtido com a empresa parceira no desenvolvimento. “O benefício da solução tecnológica é calculado a partir dos resultados de validação do produto comercial e extrapolados para a área estimada de adoção. Esse resultado subtraído dos custos (preço do produto comercial) e o preço do grão (no caso o milho) fornecem uma estimativa do impacto econômico da solução tecnológica”, explica Miranda.

Segundo ele, a metodologia de avaliação do componente qualitativo é feita pelo software da Embrapa Ambitec-Agro, um sistema de avaliação de impactos ambientais de inovações tecnológicas agropecuárias. Trata-se de um conjunto de matrizes multicritério que integram indicadores do desempenho de inovações tecnológicas e práticas de manejo adotadas na realização de atividades rurais. A metodologia Ambitec-Agro calcula indicadores a partir do chamado coeficiente de alteração, que é a percepção do adotante ou do pesquisador em relação a alterações ocorridas com o uso ou desenvolvimento da solução tecnológica em determinados indicadores, comparadas a uma situação anterior.

Avanços da tecnologia e conquista de novos mercados
A Embrapa e a empresa Bioma têm apostado em novas formulações na composição do BiomaPhos, em parceria com a Embrapa Instrumentação (SP), e em ferramenta genômica para possibilitar precisão e segurança, associando mais eficiência e longevidade ao produto. “O sucesso do inoculante levou a empresa parceira Bioma a implementar novas estratégias de negociação para ampliar seu acesso ao mercado. Ela inclusive se associou a uma grande empresa de defensivos para distribuir o produto em novas parcerias. Iniciamos também testes para futura internacionalização da comercialização do BiomaPhos em países como Paraguai, Bolívia, México e Estados Unidos”, revela Paiva.

Como funciona

O BiomaPhos, resultado de mais de 19 anos de pesquisas, é produzido a partir de duas bactérias identificadas pela Embrapa, uma no solo e a outra no milho, que apresentam aptidão para solubilizar ou tornar disponível o elemento fosfato e melhorar o sistema radicular das plantas. Esse mineral é indispensável para o crescimento e a produção vegetal, já que interfere nos processos de fotossíntese, respiração, armazenamento e transferência de energia. “As cepas das bactérias Bacillus subtilis e Bacillus megaterium conseguem fazer com que maior quantidade de fósforo seja absorvida pelas raízes, recebendo em troca compostos fundamentais para o crescimento bacteriano, como fontes de carbono, em especial açúcares e ácidos orgânicos”, explica a pesquisadora. “Isso se traduz em mais eficiência no processo de absorção do fósforo pelas raízes das plantas, fazendo com que elas sejam mais produtivas”, complementa.

Deixe uma resposta