Startup propõe indenização de R$ 1 mil para quem tiver voos atrasados ou cancelados no Carnaval

Posted on Updated on

Todo ano é a mesma coisa. O pico de movimento nos aeroportos brasileiros durante a temporada de Carnaval acompanha o aumento de voos atrasados e cancelados. Mais que um momento de estresse, o imprevisto costuma transformar a viagem rumo ao descanso ou à folia em pesadelo e ainda acarretar em prejuízo financeiro, com a perda de conexões, de reservas em hotéis, restaurantes ou passeios. Isso sem falar nos reveses, de extravio de bagagens e overbooking, verdadeiros desrespeitos aos passageiros.

Fundada em 2017, a start-up Quick Brasil propõe ser uma solução imediata para viajantes que já passaram por esse tipo de situação. Acessada por meio do site quickbrasil.org, a plataforma propõe uma indenização instantânea no valor de mil reais por pessoa, em depósito na conta bancária, a cada voo comprovadamente atrasado ou cancelado – a análise do problema é feita, gratuitamente, por consultores e analistas da start-up. Ao receber a compensação, o passageiro renuncia receber qualquer outro valor da companhia aérea referente ao caso. A Quick Brasil, por sua vez, passa a reivindicar a retratação diretamente com a companhia, assumindo os riscos e resultados.

“Nosso objetivo é garantir que o consumidor seja indenizado nas situações em que foi lesado pelas companhias aéreas, mas com muito mais rapidez que a justiça pública e sem riscos. O próximo passo é tornar a Quick Brasil conhecida nacionalmente, e consequentemente, impactar uma melhoria no serviço prestado pelas empresas de aviação no que diz respeito ao tratamento dos seus consumidores”, relata o advogado brasileiro Thiago Naves, um dos quatro sócios da Quick Brasil.

Desde seu lançamento, a plataforma já atendeu cerca de 2 mil casos. O procedimento está amparado no conteúdo legal previsto pelo Código de Defesa do Consumidor, pelo Código Civil e pela Lei 9.099/95.

Inédita no país, a ideia foi desenvolvida por um grupo de quatro empresários: o próprio Naves; Amory Gonzalez, da Guatemala; Gaurav Tandel, da Índia; e Jon Hanson, dos Estados Unidos. O grupo participou do Global Entrepreneurship Bootcamp 2017, na Austrália, um programa de inovação do renomado MIT, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Inicialmente batizado de The Quick Claim, o projeto passou para a final, juntamente com os de mais outros seis grupos. Ao lado dos três vencedores, a banca concedeu uma premiação bônus a Naves e sua equipe, criada especificamente para o projeto, por considerá-lo, entre todos, o de maior chance de execução no mundo real.

“A Quick Brasil é um case de sucesso do Bootcamp em 2017, na Austrália, de tal maneira que, atualmente, é citada como exemplo em uma das disciplinas oferecidas pelo MIT”, relata Naves. A start-up também foi um dos destaques da edição brasileira do MIT Innovation & Entrepreneurship Bootcamp, programa voltado para empreendedores de inovação, que aconteceu entre julho e agosto de 2018, no Rio de Janeiro.

Deixe uma resposta