Incorporadora promove concurso para selecionar projeto arquitetônico

Posted on Updated on

A incorporadora curitibana Weefor lançou nacionalmente no mercado imobiliário o primeiro aberto nacional de arquitetura: o Weefor Arq. O concurso tem por objetivo selecionar um projeto arquitetônico para o primeiro empreendimento residencial da empresa na capital paranaense, diversificando a arquitetura e oxigenando o mercado com uma solução até então utilizada somente em obras públicas.

Promovido em parceria com a Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura do Paraná (AsBEA/PR), o Weefor Arq envolveu arquitetos e urbanistas formalmente cadastrados como responsáveis técnicos de sociedades com objeto social de prestação de serviços de arquitetura e urbanismo. Os interessados tiveram pouco mais de 3 meses para desenvolver um anteprojeto de arquitetura para um edifício residencial, com área de aproximadamente 5.250 m², que será implantado em um terreno de 1.383,60 m², localizado na esquina da Rua Pará com a Rua Mato Grosso, no bairro da Água Verde, um dos mais tradicionais da capital paranaense.  O empreendimento terá no mínimo 51 unidades — metade com área privativa entre 50 m² e 55 m² e metade entre 70 m² e 75 m².

“A ideia do concurso surgiu a partir de um conceito incômodo do mercado. Não queríamos um projeto exclusivo, mas sim uma proposta inclusiva, aberta e menos engessada, que envolvesse o maior número de pessoas possível no processo. Acreditamos que conseguimos dar uma ótima oportunidade para pessoas talentosas que até então não tinham acesso a esse mercado tão fechado. Quem deve planejar e nos ajudar a construir um ambiente mais harmônico são os especialistas, arquitetos. Por isso, elaboramos uma demanda bastante aberta, em que a única restrição é o custo de obra e o número de unidades”, explica Maria Eugenia Fornea, sócia-proprietária da incorporadora Weefor.

Com o processo de inscrição e encaminhamento de projetos encerrado no último dia 17 de março, o Weefor Arq recebeu 204 inscritos, oriundos de 16 estados brasileiros: São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Ceará, Goiás, Bahia, Amazonas, Sergipe, Maranhão, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Norte. Desses, 146 foram homologados e 90 projetos foram entregues no prazo. Após uma análise preliminar, 87 projetos seguiram todas as normas do concurso e agora serão julgados pelo júri especializado. Serão escolhidas às cegas as três melhores propostas, e uma será declarada vencedora. O arquiteto responsável pelo trabalho será contratado para o desenvolvimento do projeto legal do empreendimento, com início da construção previsto para o ano de 2020.

“Ficamos muito surpresos com o resultado. Em um curto espaço de tempo, alcançamos mais de 200 inscrições em um concurso inédito no Brasil. É fantástico saber que centenas de profissionais entenderam a importância dessa ação colaborativa que foca na inovação para modificar a sociedade, melhorando os espaços e as cidades. Esperamos que seja o primeiro concurso de muitos. Acreditamos que juntos, arquitetos e incorporadores, conseguiremos alcançar resultados mais produtivos para a sociedade.”, completa Maria Eugenia. O júri final do concurso é formado por seis profissionais do mercado, que vão analisar todos os detalhes de cada projeto finalista nos próximos dias: Lua Nitsche, sócia do escritório Nitsche Arquitetos Associados; Fernando Mungioli, editor da revista Projeto; Pedro Vada, editor do ArchDaily Brasil; Keiro Yamawaki, ex-presidente da AsBEA/PR; Luiz Augusto Brenner Rose, diretor da Imobiliária Lopes; e Maria Eugenia Fornea, representando a Weefor.

Deixe uma resposta