O que significa a aproximação de Sérgio Moro e Rodrigo Maia?

Posted on Updated on

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, minimizou o desentendimento com Rodrigo Maia, Presidente da Câmara. Os dois se encontraram para uma reunião junto com a líder do Governo no Congresso, Joice Hasselmann, que afirmou que um acordo para reduzir pela metade o prazo do grupo de trabalho havia sido fechado. “Hoje o mercado acordou pessimista e sem dúvida alguma a recente declaração do Presidente de que a confusão com Maia é página virada e a aproximação de Moro com o Presidente da Câmara são sinais de que as relações entre os poderes. Mas podem voltar a andar e, consequentemente, a Reforma da Previdência ser aprovada. Ainda é prematuro, mas em meio ao caos é uma sinalização”, diz a Sócia-Diretora da FB Wealth, Daniela Casabona.

Para o economista Pedro Coelho Afonso, aparentemente o grande ponto nesse caso não é tanto a aproximação de Sérgio Moro e Rodrigo Maia, mas simcomo isso reflete no comportamento do Governo. “Acho que além do Moro, é muito importante avaliarmos a aproximação do Maia com o Presidente Jair Bolsonaro, pois a Reforma da Previdência depende muito da articulação do Rodrigo Maia e não sabemos ainda como está a relação dos dois. Mas com certeza essa questão do Moro e do Maia pode indicar uma nova reaproximação do Governo com o Congresso”, explica.

De acordo com o diretor de Câmbio da FB Capital, Fernando Bergallo, o mercado financeiro acha que a aproximação do Maia com o Moro traz umaspecto interessante no sentido de aproximação com o Governo, mas a questão essencial é que a aproximação deve ser do próprio presidente Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, Ministro da Economia, com o Rodrigo Maia. “Simplesmente o Sérgio Moro fazer as pazes com o Maia é insuficiente diante do desafio que o Governo tem de conseguir um bom número de votos para a aprovação da Reforma da Previdência. Claro que é uma sinalização positiva, uma das poucas positivas que tivemos nas últimas 24 horas, em relação a uma série de negativas, mas ainda é insuficiente para o mercado enxergar qualquer tipo de otimismo”, finaliza Bergallo.

Deixe uma resposta