O que as empresas brasileiras podem aproveitar da experiência de Hong Kong em pandemias anteriores?

Hong Kong, a nova disputa de Trump contra a China - Outras Palavras

“À frente da curva covid-19: A experiência de Hong Kong em outras pandemias e o legado para a sociedade e a economia no Brasil” é novo webinar da TransUnion, companhia global de soluções de informação e insights de dados – continuando a série que traz especialistas convidados para discutir como as tecnologias são absorvidas em nossas vidas em meio a um cenário em que a digitalização foi acelerada. O evento acontecerá no próximo dia 07 de julho, às 17h, e as inscrições são gratuitas neste link.

Ao longo do evento, que terá duração de uma hora, será mostrado o impacto da transformação digital vinda de Hong Kong. Além disso, o webinar vai expor como o compromisso com esta mudança, destinando recursos para apoiá-la, pode ajudar as empresas a se manterem competitivas no mercado durante uma crise sanitária desta magnitude.

Hong Kong e todo o mundo vivenciam atualmente a pandemia da covid-19, mas a região administrativa especial chinesa já enfrentou outra epidemia severa, da SARS (sigla em inglês para síndrome respiratória aguda grave), em 2003 – ambas acompanhadas de crises econômicas que agravaram os seus efeitos. A TransUnion presenciou, mensurou as consequências e apoiou os agentes financeiros durante esse período.

Essa experiência e os aprendizados de como a digitalização e a tecnologia de análise de dados podem ajudar na recuperação econômica em um mercado pós-pandemia serão contados por Claudio Pasqualin, Diretor de Desenvolvimento de Negócios da TransUnion Brasil e Francis Lau, Diretor, Research and Consulting TransUnion Asia Pacific.

“Brasil e Hong Kong são bastante diferentes, mas podemos aprender muito com seu histórico. Eles estão, neste momento, dois a três meses à nossa frente no combate à covid-19, o que deve ser levado em conta”, afirma Pasqualin. “A experiência asiática mostra que cabe às instituições envolvidas se adaptarem, buscarem novos mercados e novas formas de fazer negócio em linha com a necessidade de seus clientes. Nesse contexto, usar dados alternativos e meios digitais possibilita a viabilização do acesso ao mercado de bens e serviços a milhões de brasileiros que são excluídos do sistema financeiro”, finaliza.

Deixe uma resposta