Literatura ajuda crianças na compreensão de temas que antes eram de adultos

Quando pensa no futuro de Cata, 10 anos, e de Ico, cinco, o advogado gaúcho Rafael Bicca Machado tem pelo menos uma certeza: um dos mais valiosos legados que gostaria de transmitir para os filhos é a compreensão sobre temas econômicos. Em benefício não apenas de sua família, mas de todas as que dividem a mesma preocupação, Rafael idealizou a Borunga Livros. A editora acaba de se tornar realidade, com o lançamento do Banco de Histórias, uma caixa com cinco livros infantis que estimulam de forma lúdica a educação financeira e econômica desde o início da vida escolar. Cada livro trata de um tema: custos, juros, dinheiro, lucro e regras. 

Um dos fundadores do escritório Carvalho, Machado e Timm Advogados, Rafael conduziu as mais de duas décadas de carreira por um respeito aos números. Além de formado em Direito, estudou Economia, é um dos estudiosos precursores no Brasil da Análise Econômica do Direito e integra a Associação Brasileira de Direito e Economia (ABDE), entidade que confere à coleção seu selo como apoiadora. Membro da ABDE, o doutor em economia Thomas Conti, professor do Insper, em São Paulo, contribuiu ainda com a revisão técnica da escrita.Para dar vida ao Banco de Histórias, Rafael contou também com a experiência de um premiado autor infantojuvenil, Christian David, que tem mais de 15 títulos publicados em diferentes editoras.

Os desenhos e o projeto gráfico são de Martina Schreiner, que já ilustrou mais de 30 livros, além de também ser escritora. A coordenação do projeto ficou a cargo da consultora editorial Elaine Maritza, que desde 2004 trabalha com edição de livros, depois de ter atuado por mais de 20 anos como professora de língua portuguesa e literatura.  

Para marcar o lançamento oficial do Banco de Histórias, a Borunga realiza em 13 de julho (segunda-feira), às 18h30min, uma live em que o idealizador do projeto debate com o economista Thomas Conti os desafios da educação financeira e econômica voltada a crianças. Para esse webinar, com divulgação no Instagram @borungalivros, são convidados professores, pais e interessados em geral em literatura infantojuvenil.    

Onde comprar Os 5 livros da coleção Banco de Histórias estão à venda na Amazon, pelo preço de lançamento de R$ 29 cada (mais abaixo, na descrição dos livros, confira o link que leva à livraria virtual).   

O Banco de Histórias As aventuras têm como personagens Valentina e sua turma. Conheça um pouco de cada uma das cinco tramas que compõem o “Banco de Histórias”:  

Gelatina de Graça Todas as noites é o mesmo chororô: Valentina sempre quer mais uma história e mais outra e mais outra. O pai alerta a filha de que dormir tão tarde e ter que acordar cedinho para ir à escola pode ter um custo. Será que Valentina precisa pagar um valor por ter dormido tarde? Que história é essa? (link para a livraria virtual)

O Dilema dos Juros de Chocolate Quando Valentina fica sabendo que a irmã da sua amiga Vera pediu seus chocolates “emprestados” com a promessa de devolvê-los com juros, fica logo intrigada e vai atrás de entender essa história bem direitinho. E não é que ela descobre que esse tal de juros pode ser bem interessante? (link para a livraria virtual)

Uma Casa para Borunga Valentina estava cansada de ver seu cachorro naquela casa pequena e meio desengonçada. Borunga merecia uma casa nova, mas a menina não tinha dinheiro para comprar nem uma caixinha de fósforos. Como Valentina resolve essa situação? Será que Borunga ganha a casinha sonhada por sua dona? (link para a livraria virtual)

O Sumiço do Videogame Valentina e sua turma estavam organizados para curtir o feriado jogando videogame. Não contavam com o terrível imprevisto: o sumiço do videogame. Mas a frustração durou pouco. A hora era de arregaçar as mangas e resolver o problema. O que será que as crianças fizeram para garantir o divertimento? (link para a livraria virtual)

O Clube do Hamster Valentina e seus amigos decidiram compartilhar um bichinho de estimação. Será que isso pode dar certo? As crianças acharam que sim. Criaram as regras do que eles chamaram de Clube do Hamster e compraram o animalzinho. Descobriram, porém, que criar regras e não respeitá-las pode dar muita confusão. (link para a livraria virtual)

Deixe uma resposta