Máquina de absorventes é adaptada para fabricar máscaras de proteção contra microorgenismos

Com investimento de R$ 4 milhões, a Santher, dona da marca Personal, iniciou a produção de 1 milhão de máscaras cirúrgicas, em sua unidade fabril de Bragança Paulista, que serão doadas para a Cruz Vermelha. As máscaras serão utilizadas pelos profissionais do Hospital da Cruz Vermelha de São Paulo, que recebe pacientes da rede pública em estado grave da Covid-19, e para os voluntários e colaboradores dos projetos sociais desta entidade que atendem à população mais vulnerável – moradores de rua, de asilos e de comunidades carentes localizadas em áreas de maior incidência de contágio do vírus na cidade de São Paulo.

“As máscaras não fazem parte de nosso portfólio de produtos, mas não poderíamos deixar de apoiar uma entidade que trabalha na linha de frente num momento tão delicado como este”, diz José Rubens de la Rosa, CEO da Santher, explicando que a empresa decidiu remodelar sua linha de produção de absorventes para confeccionar as máscaras de proteção.

Para o presidente da Cruz Vermelha Brasileira – São Paulo, Jorge Wolney Atalla Jr., a velocidade e a facilidade de contágio do novo coronavírus impulsionaram a busca por estoque de máscaras, o que gerou queda desse item tão importante para os profissionais de saúde. “Só temos a agradecer pela importante iniciativa de proteger os profissionais de nosso hospital e dos projetos sociais, peças fundamentais para resposta à pandemia.”

Segundo Celso Ricardo, diretor Industrial da Santher, após um extenso projeto de transformação, a linha de produção de absorventes passou por um upgrade tecnológico para produzir máscaras cirúrgicas. “Foram cerca de 40 dias de trabalho intenso que envolveu diversas áreas da empresa para desenvolver um conjunto de modificações eletromecânicas e de matérias-primas, para garantir o atendimento de todos os requisitos normativos para a fabricação de máscaras cirúrgicas”, diz.

Deixe uma resposta